Constâncio defende que devia ser a Comissão Europeia a emitir dívida

  • Lusa
  • 3 Abril 2020

“Uma forma rápida de ter dívida comum europeia a financiar despesas para fazer face à crise seria recorrer à Comissão Europeia para emitir obrigações para financiar programas excecionais”, diz.

O antigo vice-presidente do Banco Central Europeu Vítor Constâncio considera que a resposta económica mais rápida e eficaz da União Europeia à crise provocada pela pandemia Covid-19 seria colocar a própria Comissão Europeia a emitir dívida.

Numa série de publicações na sua conta na rede social Twitter, o antigo governador do Banco de Portugal defende que “uma forma rápida de ter dívida comum europeia a financiar despesas para fazer face à crise seria recorrer à Comissão Europeia para emitir obrigações para financiar programas excecionais”, pois tal está contemplado no atual quadro legal e pouparia os Estados-membros mais frágeis endividarem-se ainda mais e em situação de fragilidade nos mercados.

Segundo Constâncio, esta possibilidade ‘encaixa’ nas atuais regras orçamentais da UE, sob a cláusula de emergência do artigo 122.2 do Tratado da UE, que estipula que “sempre que um Estado-Membro se encontre em dificuldades ou sob grave ameaça de dificuldades devidas a calamidades naturais ou ocorrências excecionais que não possa controlar, o Conselho, sob proposta da Comissão, pode, sob certas condições, conceder ajuda financeira da União ao Estado-Membro em questão”.

Quanto à possível emissão conjunta de dívida através dos chamados coronabonds, o economista lembra que, “sem recorrer à Comissão Europeia e ao orçamento da UE para ajudar de forma rápida e eficaz todos os países”, tal cenário “implicaria criar um novo quadro legal e pedir a algumas instituições (por exemplo o MEE) para fornecer o serviço de organizar a emissão e preparar as transações”.

O antigo vice-presidente do BCE (2010-2018) aponta que, ao contrário do programa de apoio “SURE” proposto na quinta-feira pelo executivo comunitário – que consiste num fundo de 100 mil milhões de euros para empréstimos aos Estados-membros visando suportar esquemas de apoios temporários ao emprego e preservar postos de trabalho durante a crise criada pelo Covid-19 -, o conceito que defende seria “não prestar empréstimos aos países, aumentando assim a sua dívida, mas antes partilhar o fardo e assumir as despesas orçamentais dos países membros, por exemplo com subsídios de saúde ou de desemprego”.

O reembolso dos custos da dívida seria feito através de contribuições adicionais para o orçamento da UE”, o que não se refletiria imediatamente no acumular das dívidas nacionais, verificando-se antes um impacto ao longo do tempo, através do seu efeito em futuros défices, “quando os pagamentos anuais fossem efetivamente realizados”.

Constâncio argumenta que, “adicionalmente, o mesmo caminho poderia ser usado para criar mais tarde um verdadeiro Plano de Investimento para a Europa, desta feita com significativo dinheiro público envolvido para atrair investimento privado”, sustentando que “este estímulo é necessário porque a retoma após a emergência de saúde ser ultrapassada será morosa”.

Relativamente à possibilidade mais discutida em sede de Eurogrupo, a de ativar linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgate permanente da zona euro, defende que os seus programas não parecem particularmente “atrativos, pois seriam utilizados apenas por países mais fracos”, o que criaria “um estigma e um mau sinal para os mercados”.

Para Constâncio, o MEE pode ser útil, mas “mais tarde, se a crise durar mais tempo” – e com programas com condicionalidades ajustadas à crise atual e “muito diferentes” de alguns casos de assistência financeira do passado não muito distante -, pelo que também não se deve “demonizar” esta instituição, “da forma como está a acontecer nalguns países”.

Na sequência do último Conselho Europeu por videoconferência, no qual foram visíveis as divergências entre os 27 sobre a melhor forma de responder no plano económico à crise provocada pelo surto do novo coronavírus, o Eurogrupo vai celebrar nova reunião extraordinária em 07 de abril, com o mandato de finalizar propostas concretas a apresentar aos líderes europeus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio defende que devia ser a Comissão Europeia a emitir dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião