Google e Apple vão criar software para rastrear pandemia

  • Lusa
  • 11 Abril 2020

As tecnológicas fizeram uma parceria para desenvolver software que permita o rastreamento digital de pessoas que estiveram perto de outras infetadas pelo novo coronavírus.

As gigantes tecnológicas norte-americanas Google e Apple anunciaram, esta sexta-feira, uma parceria para desenvolver software que permita o rastreamento digital de pessoas que estiveram perto de outras infetadas pelo novo coronavírus, para limitar a propagação da pandemia.

“A Google e a Apple anunciaram um esforço conjunto que vai permitir a utilização da tecnologia ‘Bluetooth’ para ajudar governos e agências de saúde a reduzir a propagação do novo coronavírus”, explicitam as duas empresas através de comunicado conjunto, citado pela AFP.

Ou seja, os smartphones com sistema operativo iOS, da Apple, ou Android, da Google, vão poder trocar informações através de ‘Bluetooth’ para acompanhar os contactos entre pessoas e alertar os utilizadores se tiverem estado em contacto com alguém que está contagiado com a doença Covid-19.

De acordo com ambas as gigantes tecnológicas, estas ferramentas deverão estar disponíveis a partir de maio e este software terá em conta o “respeito pela privacidade” e a segurança dos utilizadores.

Aplicações para smartphones semelhantes já foram desenvolvidas por outras empresas que criam software na China ou em Singapura.

Os sistemas operativos da Google e da Apple são os mais utilizados em dispositivos móveis em todo o mundo.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 96 mil mortos e infetou quase 1,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Os Estados Unidos são o país mais afetado em número de casos, com 466.299 infetados e 16.686 mortos. A Europa é o continente com mais casos contabilizados (826.382) e com maior número de vítimas mortais (66.642). Em África, há registo de 630 mortos num universo de mais de 12.219 casos em 52 países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google e Apple vão criar software para rastrear pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião