BRANDS' ECO Volkswagen investe 9 mil milhões na mobilidade elétrica até 2023

  • BRAND'S CAPITAL VERDE
  • 8 Maio 2020

A Volkswagen prevê tornar-se líder mundial no mercado dos automóveis elétricos em cinco anos, um objetivo que pressupõe investimentos “esmagadores” do grupo alemão.

Nos próximos 10 anos, Portugal terá 40 vezes mais veículos elétricos e híbridos, segundo dados da Eurelectric – Associação das Empresas Elétricas Europeias. Para o Grupo Volkswagen, os números são concretos: até 2025, quer ter 50 modelos elétricos a circular nas estradas, contra os seis atuais.

As metas são ambiciosas e não se ficam por aí. Há uma estratégia de eletrificação em marcha para alcançar a total descarbonização do grupo em 2050.

Para isso, é preciso não só mudar mentalidades, mas também o modus operandi da própria produção dos automóveis. “Um carro desenvolvido para funcionar com um motor de

Diretor de marketing estratégico e relações externas SIVA

combustão é estruturalmente diferente de um carro construído para ser 100% elétrico”, explica ao ECO Ricardo Tomaz, diretor de marketing estratégico e relações externas da SIVA. É com base nesta premissa que assenta a estratégia do Grupo Volkswagen para a mobilidade elétrica.

Um trunfo chamado MEB

A solução que o grupo alemão encontrou foi desenvolver uma nova plataforma dedicada especificamente aos futuros modelos elétricos, denominada MEB – Modular Electric Toolkit.

O que traz de novo? Além de possibilitar “a instalação de baterias maiores, aumentando significativamente a autonomia”, permite ainda que estas sejam “instaladas em modelos de várias dimensões e necessidades, graças ao design modular e ao formato multicelular”, elucida o responsável. Mais: as baterias foram projetadas para carregamento rápido, bastando apenas 30 minutos para ter a bateria carregada a 80%.

“Esta plataforma e a estratégia que lhe está subjacente constituem o grande trunfo económico e tecnológico da ofensiva ID, o nome da família de carros elétricos da Volkswagen que chegam ao mercado este ano”, explica Ricardo Tomaz.

O grande benefício desde logo é a liberdade que esta plataforma permite, por ser modular – as baterias são colocadas na base da estrutura, como se se tratasse de uma ‘tablete de chocolate’. Isto faz com que se adapte a qualquer modelo 100% elétrico, seja da família ID, da Volkswagen, ou de outras marcas do grupo, como a Audi e a Skoda. “Este caminho permite criar grandes economias de escala”, estando previsto que, numa primeira vaga, cerca de 10 milhões de veículos de todo o Grupo Volkswagen se baseiem nesta plataforma, avança Ricardo Tomaz.

A Volkswagen dá, assim, um passo “mais longe ao abrir a MEB a outros fabricantes. Esta é, também, uma abordagem sem precedentes”, adianta.

A plataforma MEB materializa-se no mercado já este ano, com a chegada dos primeiros dois membros da família Volkswagen ID – o ID.3 e o SUV ID.4. Na Audi, assume forma com os modelos e-tron – o SUV e-tron, que já anda a rodar nas estradas desde 2019, o e-tron Sportback, prestes a chegar, e mais dois lançamentos previstos para 2021. É também no próximo ano que a Skoda prevê lançar o seu primeiro elétrico assente na plataforma MEB.

Investimento “avassalador”

Os olhos estão, sem dúvida, postos no topo da pirâmide da mobilidade elétrica. “A Volkswagen prevê tornar-se líder no mercado em termos globais até 2025, com o lançamento de mais de 20 modelos totalmente elétricos e mais de um milhão de veículos elétricos vendidos anualmente”, refere Ricardo Tomaz.

É com esta visão e estratégia que o Grupo Volkswagen prevê atingir a neutralidade carbónica já daqui a 30 anos. Para lá chegar, está a alocar números de investimento “esmagadores”, nas palavras do responsável de marketing. São 60 mil milhões de euros destinados a R&D nas áreas da mobilidade elétrica, conectividade e digitalização, dos quais 33 mil milhões se destinam à expansão da eletromobilidade e 27 mil milhões à “hibridização” e digitalização.

A Volkswagen prevê tornar-se líder no mercado em termos globais até 2025, com o lançamento de mais de 20 modelos totalmente elétricos

Ricardo Tomaz

Diretor de marketing estratégico e relações externas SIVA

Se olharmos só para a marca Volkswagen, “os números são avassaladores: a marca está a investir um total de €11 mil milhões no desenvolvimento de novas tecnologias até 2023, incluindo €9 mil milhões na mobilidade elétrica”, adianta.

Na área da digitalização, Ricardo Tomaz fala de uma “revolução cultural”, com “cerca de 3000 peritos em digital” já a trabalhar na nova organização Car-Software. Esta prevê a substituição de “todas as atividades de software, do sistema operativo dentro do carro aos novos serviços de mobilidade”. E em 2025 serão mais de 10 mil engenheiros de software alocados a esta nova business unit, garante Ricardo Tomaz.

O voo é alto, mas a missão vai além da mobilidade. O Grupo Volkswagen acredita que a “estratégia de eletrificação só tem sentido se corresponder a uma verdadeira ação ‘carbono zero’, finaliza o responsável. Os dados estão mais do que lançados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volkswagen investe 9 mil milhões na mobilidade elétrica até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião