Banco Mundial destaca ferramenta de Social Commerce do CaixaBank para ajudar PME durante a pandemia

  • Europa Press
  • 25 Maio 2020

Mais de 800 empresas utilizaram até 2.350 anúncios para vender online nesta solução tecnológica do banco espanhol.

O Banco Mundial selecionou a ferramenta de Social Commerce do CaixaBank como um exemplo de projeto para ajudar as empresas durante a crise do Coronavírus, juntamente com outras iniciativas lançadas por várias instituições financeiras, como o DBS Bank, de Singapura, ou as plataformas de pagamento Paypal e Ant Financial, da Alibaba.

A comunicação foi feita após a terceira atualização semanal do SME Finance Forum, rede Internacional pertencente ao Banco Mundial que trabalha para expandir o financiamento a pequenas e médias empresas (PME), que analisou as ações de governos, empresas, plataformas e entidades bancárias no seu esforço para ajudar os pequenos empresários durante esta crise.

Entre as soluções de comércio eletrónico selecionadas pela agência está a ferramenta tecnológica lançada pelo banco espanhol no final de março, através da qual trabalhadores independentes podem gerir o seu negócio diretamente através das redes sociais e aplicações de mensagens, sem necessidade de terem site ou loja online. Esta solução facilita o negócio das PME por permitir vendas através dos seus perfis no Facebook, Twitter, Instagram, WhatsApp, entre outros.

Segundo os dados fornecidos pelo CaixaBank, já foram registados mais de 1.560 downloads da aplicação Social Commerce, de cerca de 800 empresas que criaram mais de 2.350 anúncios para vender online. O valor médio das transações através desta solução tecnologia é de cerca de 70 euros e uma das funções mais procuradas é a de pagamento pelo WhatsApp.

O comércio através das redes sociais é uma opção que tem vindo a crescer nos últimos tempos, ligada ao crescimento do consumo online. De acordo com os dados da consultora Nielsen, mais de um milhão de famílias fez compras online desde que o confinamento foi decretado.

“Estou muito feliz, o Social Commerce é uma solução muito simples e é muito fácil de entender e operar. A verdade é que funciona muito bem e é muito intuitiva para pagamentos através das redes sociais. Os clientes disseram-nos que também estão satisfeitos”, diz Gloria Donoso, responsável por um negócio de floricultura em Guadalajara.

Outras iniciativas selecionadas

Juntamente com o CaixaBank, o SME Finance Forum destaca outros exemplos de ações em benefício das empresas durante a crise do Coronavírus, incluindo as do DBS Bank of Singapore, a plataforma Ant Financial, do grupo Alibaba e considerada a maior fintech do mundo, PayPal e outras empresas financeiras e de tecnologia internacionais, como a Opportunity Network, Temenos, OakNorth, Appian, Ebury ou Satispay.

Em relação ao DBS Bank of Singapore, é destacada a rápida introdução de medidas de colaboração com o governo de Singapura, incluindo empréstimos digitais, extensão e cobertura de seguros, bem como programas para melhorar as capacidades digitais. O banco acelerou os seus processos para disponibilizar empréstimos em dois dias e simplificou a burocracia.

Na Ant Financial, o Banco Mundial destaca a elaboração de um plano de três etapas, que consiste em prestar assistência financeira, lançar um programa especial de empréstimos para facilitar o acesso ao crédito e, finalmente, promover uma campanha para apoiar 10 milhões de PME, freelancers e também agricultores na sua transformação digital.

Ciente do papel das PME na economia chinesa, que representam 60% do PIB e 80% dos empregos, a plataforma de pagamentos da Alibaba também formou alianças com instituições financeiras e governos locais para alargar empréstimos para pequenas e médias empresas.

Já o PayPal, por sua vez, ajudou mais de 24 milhões de comerciantes, de acordo com o fórum do Banco Mundial, que destaca o seu compromisso com a eliminação de algumas das suas taxas (taxas de estorno ou levantamento imediato de fundos de uma conta empresarial) e isso facilitou o negócio de pequenas e médias empresas.

Em relação aos governos, o Fórum de Finanças para as PME enfatiza as iniciativas do executivo alemão, com pacotes de ajuda para freelancers e PME dedicadas ao setor da cultura, ou do governo suíço, para ajudar os pequenos empresários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Mundial destaca ferramenta de Social Commerce do CaixaBank para ajudar PME durante a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião