Instituto Coordenadas defende que Governo espanhol “não pode marginalizar pagamentos em numerário”

  • Europa Press
  • 27 Maio 2020

A posição surge após uma recomendação oficial da Secretaria de Estado do Comércio de incentivar o pagamento com cartões.

O Instituto Coordenadas de Gobernanza y Economía Aplicada defendeu nesta quarta-feira que o Governo espanhol “não pode marginalizar o pagamento em numerário”, referindo-se ao código de boas práticas para o setor do retalho divulgado pela Secretaria de Estado do Comércio espanhola, que recomenda incentivar o pagamento com cartões.

Em comunicado enviado à imprensa, a instituição defende que “não faz sentido alterar o quotidiano de milhões de cidadãos que dependem quase exclusivamente deste meio de pagamento” e ressalta que o Governo central deve adotar “uma postura de defesa decisiva da moeda corrente, do dinheiro de todos”.

Segundo a sua análise, o Executivo espanhol não deve fazer esse “incentivo oficial” aos meios de pagamento eletrónicos, “controlados desde fora nas suas operações” e “sem controlo fiscal das autoridades nacionais”.

Nesse sentido, o Instituto sustenta que atualmente o negócio dos meios de pagamento é “um oligopólio controlado por um pequeno número de empresas e instituições”, que acumulam “imenso poder sem qualquer controlo por parte dos governos nacionais” e alerta para o “perigo” que isso implica “mesmo para conceitos básicos como a soberania”.

Como tem defendido desde a propagação da pandemia, o Instituto de Coordenadas reafirma que “não há evidência de que as moedas e as notas sejam veículos de propagação do contágio” e recordou as propostas da OMS, do Banco Central Europeu e de outros bancos nacionais, como o Bundesbank, o Bank of England, o Bank of Canada e o Bank of France.

Assim, o Instituto Coordenadas não entende a insistência do Governo em “demonizar” o numerário quando o próprio Banco de Espanha garantiu oficialmente que “não há perigo de contágio pela sua utilização, com benefício impróprio dos operadores de dinheiro de plástico”.

População sem pagamento eletrónico

A análise lembra que um segmento “importante” da população espanhola carece de hábitos de utilização dos meios de pagamento eletrónico, mantendo o hábito enraizado de pagar em numerário e sublinha que “qualquer insistência por parte dos meios oficiais para restringir a sua utilização está a alterar seriamente a vidas destas pessoas sem justificação científica ou sanitária”.

Nesse sentido, refere ainda que são várias as camadas sociais de idosos que não estão habituadas aos meios de pagamento eletrónicos e em áreas rurais com uma infinidade de pequenas empresas onde os terminais de multibanco são escassos, “estão a sentir dificuldades e riscos de exclusão social acrescidos além dos já trazidos pela pandemia”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Instituto Coordenadas defende que Governo espanhol “não pode marginalizar pagamentos em numerário”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião