Instituto Coordenadas vê restrições à capacidade das piscinas comunitárias como “alarme desnecessário”

  • Europa Press
  • 8 Junho 2020

O Instituto Coordenadas considera que medidas como a restrição a 30% da capacidade de utilização são muito difíceis de cumprir.

O Instituto Coordenadas de Gobernaza e Economía Aplicada considera que as medidas impostas na utilização de piscinas em urbanizações e zonas residenciais na atual fase de desconfinamento em Espanha para reduzir o risco de contágio, como a redução da capacidade para 30%, geram um “alarme desnecessário”.

Em comunicado enviado à imprensa, a instituição espanhola afirma que os regulamentos sanitários estão a causar uma “controvérsia considerável”, especialmente aqueles relacionados com a redução da capacidade de utilização, “ao ponto de se questionar se essas instalações comunitárias poderão ser abertas, devido à impossibilidade de cumprir com os padrões de segurança”.

O Instituto Coordenadas também lembra que o Conselho Geral de Administradores de Imóveis afirmou que as medidas ditadas pelo Ministério da Saúde em relação à abertura de piscinas são muito difíceis de serem executadas numa instalação comunitária, sendo o controlo de capacidade de utilização o principal problema. O Instituto Coordenadas vê como uma “preocupação lógica”, mas pede “para não alarmar irracionalmente a população” e pediu o cumprimento da legislação em vigor sobre medidas de saneamento e distância social.

De acordo os especialistas da instituição, o controlo da capacidade de utilização, além de ser uma medida que “provavelmente” mudará com a atualização das fases, “não deve ser um argumento para não abrir piscinas comunitárias, pois existem alternativas, para além da responsabilidade individual e comunitária”.

O Instituto considera que existem soluções, como a definição de turnos ou a limitação de espaços, que ajudarão a cumprir as restrições de capacidade sem causar uma despesa excessiva, e enfatiza que as piscinas comunitárias são instalações que os moradores pagam e mantêm ao longo do ano e por isso “têm o direito de poder utilizá-las desde que sejam cumpridas as medidas de segurança estabelecidas pelas autoridades e que não comprometam a saúde individual ou coletiva”.

Nesse sentido, o vice-presidente executivo do Instituto Coordenadas, Jesús Sánchez Lambás, assegurou que “o senso de responsabilidade individual e social deve prevalecer“, razão pela qual apelou à aplicação das regras “sem a necessidade de recorrer a extremos ridículos” e “apenas com um mínimo de bom senso.” “Os moradores de qualquer comunidade poderão fazer o uso correto e seguro das suas piscinas, acima dessa controvérsia artificial”, previu.

A água das piscinas

O Instituto Coordenadas lembrou também que investigadores do Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC) produziram um relatório que afirma que “tanto em piscinas como em spas, onde o uso de desinfetantes é amplamente utilizado para evitar a contaminação microbiana das águas, a concentração residual do agente de desinfeção presente na água deve ser suficiente para desativar o vírus“.

Nesse sentido, foi enfatizado que a água nas piscinas será um ambiente seguro “desde que o tratamento de desinfeção adequado seja aplicado”, refletido nas normas que estabelecem os critérios técnico-sanitários de piscinas em cada comunidade e que geralmente assume níveis de pH de água entre 7,2 e 8,0 e cloro livre residual entre 0,5 e 2 ppm.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Instituto Coordenadas vê restrições à capacidade das piscinas comunitárias como “alarme desnecessário”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião