Telefónica distribuirá dividendos de 2 mil milhões de euros este ano

  • Europa Press
  • 9 Junho 2020

A operadora de telecomunicações espanhola retribuiu aos seus accionistas mais de 10 mil milhões de euros nos últimos cinco anos.

Na próxima sexta-feira, 12, realiza-se a Assembleia Geral de Acionistas da Telefónica. Um dos principais pontos da agenda é a distribuição de dividendos pelos acionistas. Este ano, a operadora distribuirá 2 mil milhões de euros, ou seja, mais do que o PIB anual de 22 países do mundo.

A empresa está empenhada em manter essa remuneração, mesmo apesar das dificuldades decorrentes da crise pandémica da Covid-19. Cumprirá o compromisso com um rendimento simultaneamente atrativo (cerca de 10% de dividendos) e sustentável, graças à sua elevada capacidade de geração de free cash flow (FCF).

Os números mostram que a Telefónica pagou aos seus acionistas mais de 10 mil milhões de euros nos últimos cinco anos, um valor comparável e equivalente ao montante total que o Tesouro espera devolver aos contribuintes espanhóis na atual campanha do imposto sobre o rendimento.

A crise do Covid-19 afetou a distribuição de dividendos na maioria das empresas do Ibex, algumas foram obrigadas a cancelar, outras a adiar a decisão, outras ainda reduziram os montantes. Apenas onze empresas do Ibex 35 continuam a distribuir dividendos: ACS, Cie Automotive, Enagás, Endesa, Iberdrola, Naturgy, Red Eléctrica, Repsol, Siemens Gamesa, Telefónica e Viscofán.

“É demasiado cedo para avaliar a extensão dos efeitos da pandemia, mas temos várias alavancas para mitigar os potenciais impactos negativos. Por um lado, vamos continuar a gerir o investimento e os custos, concentrando-nos na estabilidade do fluxo de caixa operacional. Temos também um balanço forte e uma forte posição de liquidez“, afirmou José María Álvarez-Pallete, presidente executivo da Telefónica.

“Em suma, a resiliência e flexibilidade do nosso modelo de negócio e a força da nossa empresa permitem-nos manter um dividendo atraente para os nossos acionistas de 0,40 euros por ação. E continuamos a trabalhar nas cinco decisões estratégicas anunciadas no final de 2019 para tornar a nossa empresa ainda mais resiliente no futuro”, adiantou. “Isto combinado com as operações corporativas já anunciadas ou em curso, permite-nos enfrentar a incerteza com uma posição sólida”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica distribuirá dividendos de 2 mil milhões de euros este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião