Banca, comércio e transportes públicos são serviços essenciais para energizar “Espanha vazia”

  • Europa Press
  • 27 Julho 2020

Em Espanha, o CaixaBank e a cadeia de supermercados Dia são as empresas que contam com uma maior presença em municipios com menos de 10 mil habitantes.

Os serviços bancários, o comércio e os transportes públicos são três dos serviços básicos “chave” para melhorar a atratividade das zonas rurais, bem como a saúde, a educação e o correio, num ambiente populacional cuja realidade diferenciada se tornou novamente evidente como resultado do confinamento e da crise resultante do coronavírus.

É isto que o relatório “Despoblamiento rural: la brecha de la desigualdad”, dos sociólogos Luis Camarero (UNED) e Jesús Oliva (Universidad Pública de Navarra) assinalam, no qual analisam o despovoamento rural, popularizado como “Espanha vazia”, e atestam que, embora tenha entrado recentemente na agenda política, é um fenómeno que tem estado lentamente latente como resultado de uma série de processos sobre os quais a crise económica de 2008 teve um efeito “determinante”.

O relatório destaca o CaixaBank e os supermercados Dia como as empresas privadas com maior presença nos municípios espanhóis com menos de 10 mil habitantes, uma vez que o primeiro concentra mais de um terço dos pontos de contacto das entidades que herdaram as antigas caixas económicas, enquanto a cadeia de supermercados tem 1.120 estabelecimentos nestes centros populacionais.

Especificamente, dos serviços analisados, o setor bancário passou por um processo de concentração significativo (de 45.707 agências para 25.755), sendo este processo mais pronunciado nas zonas urbanas do que nas zonas rurais. Segundo dados do Banco de Espanha, mais de metade dos municípios – 4.109 em 8.131, com 1,3 milhões de pessoas – não tem uma agência bancária.

O CaixaBank tem mais de 1.300 balcões nestes municípios, seguido de Ibercaja (555), Unicaja (511) e Bankia (497), bem como mais de 1.100 agências em municípios com entre 10 mil e 50 mil habitantes, à frente de Bankia (460), Unicaja (202) e Kutxabank (124).

“A proximidade das fontes de crédito é essencial para permitir o desenvolvimento económico, a emergência de projetos de inovação social, bem como a manutenção do tecido associativo nas zonas rurais”, explica o estudo.

Apenas 2.726 dos 7.369 municípios com menos de 10 mil habitantes têm um supermercado, o que significa que 60% dos pequenos municípios não têm um supermercado.

Por operadores, a cadeia Dia tem a maior presença nestas cidades (1,120), seguido por Coviran (1,005) e o grupo HD Covalco (663).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca, comércio e transportes públicos são serviços essenciais para energizar “Espanha vazia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião