Compromisso Pagamento Pontual “não compreende” atrasos nos pagamentos do Estado

  • Lusa
  • 30 Julho 2020

O Compromisso Pagamento Pontual (CCP) não "compreende que o Estado aumente os prazos de pagamento para lá do acordado e (...) pressione ainda mais a delicada situação de tesouraria das empresas".

O Compromisso Pagamento Pontual (CCP), uma plataforma com várias associações e empresas, diz que “não se compreende” que o Estado tenha aumentado os prazos de pagamento aos fornecedores, numa altura em que estão a ser prejudicados pela pandemia.

Assim, o CCP vê “com insatisfação o desempenho do mês de junho, na medida em que o mesmo reflete uma indesejável mudança face à tendência recente”, de acordo com um comunicado. “Com efeito, enquanto durante o mês de maio se verificou uma importante redução das contas em atraso aos fornecedores por parte da Administração Central, em junho essa redução foi completamente revertida”, lamentou a plataforma.

Segundo o comunicado, “não se compreende que, num momento em que tem o Governo tem liquidez para tal, mas que as empresas estão em situação aflitiva de tesouraria, o Estado aumente os prazos de pagamento para lá do acordado e que assim pressione ainda mais a delicada situação de tesouraria das empresas”.

“Neste contexto económico adverso, o CPP desafia o Governo e as administrações das entidades que compõem a Administração Central a que se comprometam a reduzir os pagamentos em atraso até que estes sejam eliminados ou se tornem residuais e que em caso algum permitam que estes aumentem”, apelando ainda às Administrações Locais e Regionais “que continuem a manter como prioridade os pagamentos atempados aos seus fornecedores”.

O CCP pediu assim que o Governo vá “mais longe no desejo de criar liquidez na economia, pagando de forma imediata a todos os seus fornecedores as dívidas a mais de 90 dias, que representavam em junho deste ano 255 milhões de euros por parte da Administração Central, e a reduzir de forma significativa os prazos médios de pagamentos a todos os seus fornecedores para prazos inferiores a 30 dias”.

A entidade citou dados da Direção-Geral do Tesouro, da Apifarma (Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica), entre outras entidades. O CCP integra a ACEGE (Associação Cristã de Empresários e Gestores), a CIP (Confederação Empresarial de Portugal) e a APIFARMA (Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica), em conjunto com 1.374 empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compromisso Pagamento Pontual “não compreende” atrasos nos pagamentos do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião