INE revela quebra do PIB no segundo trimestre já amanhã

INE decidiu antecipar a publicação do PIB referente ao segundo trimestre, o período mais afetado pelos efeitos da pandemia. Queda do PIB é conhecida esta sexta-feira.

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) decidiu antecipar a publicação dos dados do produto interno bruto (PIB) português referentes ao segundo trimestre, o período mais afetado pelos efeitos da pandemia. Referindo a particular urgência na divulgação pública deste dado, o instituto vai dar a conhecer a quebra já esta sexta-feira, 31 de julho.

“Dado o contexto atual em que o conhecimento de informação económica, ainda que por vezes incompleta, tem uma particular urgência, o INE antecipa a divulgação de resultados para o 2º trimestre de 2020, tal como se espera que aconteça com outros estados membros da União Europeia”, diz o INE.

Este dado será bastante negativo, tendo em conta que apenas meses de quase paralisação da economia, fruto do confinamento decretado para conter a propagação do novo coronavírus que chegou a Portugal em março.

Mário Centeno, enquanto ocupava ainda a pasta das Finanças, tinha alertado que o segundo trimestre iria apresentar uma “uma variação homóloga em relação ao segundo trimestre do ano passado de uma grandeza que será com certeza próximo de quatro, cinco vezes o máximo do que alguma vez vimos o PIB num trimestre em Portugal cair”. Ou seja, será uma quebra a rondar os 20%.

O trambolhão do PIB de Portugal não será, contudo, único. Ainda que seja o maior de sempre da economia nacional num trimestre, praticamente todos os países do euro deverão registar quebras expressivas, nomeadamente Espanha, Itália e França. A Alemanha já deu a conhecer os números referentes a este período, confirmando-se o forte impacto da Covid-19 na maior economia da Europa.

De acordo com o instituto federal de estatística alemão (Destatis), a queda registada no PIB do país comandado por Ângela Merkel foi de 10,1%, mais do dobro da maior registada durante a crise financeira e económica de 2008 e 2009.

(Notícia atualizada às 12h41 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE revela quebra do PIB no segundo trimestre já amanhã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião