Covid-19 promove crescimento de fundos ESG com critérios sociais e sustentáveis

  • Servimedia
  • 12 Agosto 2020

O investimento com critérios ambientais, sociais e de governação (sigla ESG, em inglês) está a ser impulsionado na sequência dos planos de reconstrução dos governos europeus.

A pandemia da Covid-19 está a impulsionar o investimento com critérios ambientais, sociais e de governação (sigla ESG, em inglês). Esta filosofia está a acelerar na sequência dos planos de reconstrução dos governos europeus e a avançar para um compromisso com a sociedade por parte dos investidores após a eclosão da crise.

A sociedade gestora de fundos de investimento mobiliário Santander Asset Management lançou no final de julho um novo veículo de investimento sustentável, Santander Sustainable RF 1-3, que conta com um capital inicial de mais de 1.350 milhões de euros após a fusão de um máximo de oito produtos.

A sociedade gestora do Banco Santander investirá em obrigações sustentáveis, verdes ou sociais na zona euro, com a possibilidade de ter até 15% da sua carteira em títulos de renda fixa de alto retorno e 10% em mercados emergentes.

Este mega-fundo significa que a gama de produtos ESG da sociedade gestora foi alargada nos últimos meses, contando agora com 10 fundos ISR (investimento socialmente responsável): sete em Espanha e um em Portugal, Brasil e México.

Uma das primeiras entidades em Espanha a apostar neste tipo de investimento foi o Andbank Espanha, que lançou o fundo Sigma Global Sustainable (GSI) há um ano e meio. Este fundo investe em empresas líderes no seu setor em termos de boa governação empresarial e práticas sustentáveis, para além do “investimento de impacto”, que investe em empresas cujas atividades têm um impacto ambiental ou social positivo.

Após os piores meses da pandemia, também o Cassa Depositi e Prestite (CDP), o banco de desenvolvimento do Governo italiano, emitiu um título social. Trata-se de uma emissão para 2023, que visa apoiar as PME e entidades locais, mas também financiar a construção de hospitais, equipamento médico e tecnologia. Além disso, reforçou a sua carteira com um fundo de rendimento fixo com uma estratégia de impacto no carbono. O objetivo é ultrapassar o desempenho do fundo francês durante o mesmo período, mas gerando uma pegada de carbono pelo menos 50% inferior.

Francisco García Paramés, um dos mais reconhecidos gestores de fundos, também lançou recentemente a gestora especializada Global Social Impact, GSI, e juntou-se à Mapfre para lançar o primeiro fundo de investimento, o Global Social Impact Fund (GSIF). Este será focado inicialmente em modelos de negócio consolidados na África Subsaariana e estender-se-á potencialmente à América Latina.

Finalmente, a Unicaja juntou-se também a esta tendência de investimento responsável e emitiu um fundo através do seu gestor Unigest: o Unifond Sostenible Mixto Renta, que é uma modificação de um dos fundos mistos da Unigest, que, embora mantendo a sua categoria de ações mistas, procura um compromisso ético e responsável nos seus investimentos. Assim, tornou-se o primeiro título da gestora com uma etiqueta de ISR e investirá entre 30% a 75% da exposição total em renda variável.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 promove crescimento de fundos ESG com critérios sociais e sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião