Qual é o carro elétrico com maior autonomia à venda em Portugal?

É cada vez maior o apetite dos portugueses por carros elétricos. Há mais modelos, mas também têm cada vez maior autonomia. Os que fazem mais quilómetros são é mais caros.

A pandemia fez derrapar as vendas de automóveis, mas não de todos. Enquanto as vendas de modelos equipados com motores a gasolina ou a gasóleo afundou, as dos elétricos recuou apenas ligeiramente. É reflexo do crescente apetite dos consumidores por veículos que recorrem a esta nova tecnologia numa altura em que a oferta dispara.

A aposta do setor nestes modelos tem sido grande. Praticamente todas as fabricantes têm vindo a eletrificar as suas gamas, seja através da introdução de soluções híbridas, seja na conjugação de motores de combustão interna a gasolina ou gasóleo com um elétrico, seja com o lançamento de unidades cujo funcionamento depende totalmente da energia elétrica.

Cresce a oferta, mas também a autonomia destes modelos. Durante anos, a reduzida capacidade das baterias utilizadas nestes modelos foi o “calcanhar de Aquiles” dos elétricos. Muitos ofereciam pouco mais de 100 km de autonomia, impossibilitando a sua utilização como veículo principal. Uma viagem de Lisboa ao Porto, por exemplo, era quase impossível.

O investimento avultado na resposta a este handicap feito ao longo dos últimos ano está, agora, a dar frutos. De 100 km de autonomia rapidamente se chegou aos 200, sendo que os 300 acabam por ser, atualmente, a norma. Mas há modelos, nomeadamente de gamas mais elevadas capazes de mais: 400 km.

São poucas as marcas que conseguem superar este patamar dos 400 km, mas há. E neste campo, a Tesla mostra o seu poderia. O Model S na versão Long Range consegue arrasar a concorrência ao apresentar uma autonomia máxima, medida no ciclo WLTP, que ascende, de acordo com a marca, aos 610 km. É o suficiente para ir de Lisboa ao Porto. E voltar! É preciso é desembolsar quase 100 mil euros para conseguir baterias com tanta capacidade.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual é o carro elétrico com maior autonomia à venda em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião