Facebook vai bloquear mensagens políticas uma semana antes das eleições nos EUA

  • Lusa
  • 3 Setembro 2020

O Facebook vai bloquear a publicação de novos anúncios e mensagens políticas nas suas páginas sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos uma semana antes da votação.

O Facebook vai bloquear a publicação de novos anúncios e mensagens políticas nas suas páginas sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos uma semana antes da votação, anunciou hoje o fundador da rede social, Mark Zuckerberg.

“Vamos bloquear qualquer novo anúncio político durante a última semana da campanha (eleitoral nos EUA). É importante que as campanhas possam continuar a lançar apelos ao voto, e geralmente acredito que o melhor antídoto para mau discurso é mais discurso, mas nos últimos dias de uma eleição pode não haver tempo para contestar novas alegações”, explicou Zuckerberg numa longa publicação na rede que fundou.

A rede social pretende ampliar também o seu trabalho “com funcionários eleitorais para eliminar a desinformação sobre o voto”.

“Já nos comprometemos numa parceria com as autoridades eleitorais estaduais para identificar e remover alegações falsas sobre condições de voto nas últimas 72 horas da campanha, mas como esta eleição conta com grandes quantidades de votos antecipados, vamos estender esse período que começa agora e continua até termos um resultado final” do sufrágio, explicou.

Segundo o fundador da rede social, estas “eleições não vão ser normais” e todos têm “a responsabilidade de proteger a democracia” norte-americana, o que “significa ajudar pessoas a registarem-se para votar, esclarecer a confusão sobre como a mesma vai funcionar e reduzir a possibilidade de violência e distúrbios”.

As eleições presidenciais dos Estados Unidos ocorrem no dia 03 de novembro, colocando o Presidente republicano, Donald Trump, candidato à reeleição, contra o democrata Joe Biden, estando condicionadas pela pandemia da covid-19, já que os EUA são o país mais afetado do mundo.

As autoridades preveem também um aumento considerável de voto pelo correio, algo que Trump considera que pode levar a irregularidades e prejudicá-lo.

Segundo Zuckerberg, ainda vai ser possível “partilhar informações sobre as eleições, mas vai haver um limite nos ‘chats’ (conversas) para os quais se pode reencaminhar uma mensagem ao mesmo tempo”, algo que já foi implementado “no Whatsapp durante períodos sensíveis” e que descobriram ser “um método efetivo para prevenir a propagação de desinformação em muitos países”.

O presidente executivo do Facebook recordou que em eleições anteriores verificou-se que existiam esforços coordenados ‘online’ por parte de governos e indivíduos estrangeiros para interferir nas eleições norte-americanas e que essa “ameaça não desapareceu”.

Esta semana, o Facebook eliminou uma rede de 13 contas e duas páginas que “tentavam enganar os norte-americanos e amplificar a divisão”.

“Investimos muito nos nossos sistemas de segurança e temos agora alguns dos equipamentos e sistemas mais sofisticados do mundo para prevenir estes ataques”, garantiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai bloquear mensagens políticas uma semana antes das eleições nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião