BRANDS' ECO “O mercado está ativo e regista uma procura muito elevada”

  • BRANDS' ECO
  • 4 Setembro 2020

O CEO da promotora imobiliária JPS GROUP, João Sousa, fala sobre o impacto da pandemia no sector imobiliário, e algumas das tendências e desafios que vieram para ficar.

O isolamento “obrigou-nos” a olhar para a casa de forma diferente. Acredita que as mentalidades e exigências na compra de uma casa se alteraram?

Acredito que esta pandemia alterou hábitos, deixou uma marca profunda, e já se nota o impacto no processo de procura de casa, quer nas preferências, gostos e necessidades de cada família. Acredito mesmo que as casas, enquanto local seguro onde vivemos, assumiram um papel muito importante na vida das pessoas, que atualmente optam por espaços mais amplos, dão valor a áreas de home office, a terraços e jardins.

Uma vez que existe uma crescente preferência por áreas amplas e espaços exteriores, sente que a procura aumentou também fora dos centros urbanos?

Sim, e acredito que tal se deve muito ao facto de as pessoas preferirem zonas mais tranquilas, onde se consegue manter o distanciamento social e um maior contacto com a natureza. Nos nossos projetos, sempre tivemos atenção à qualidade de vida que as casas podem proporcionar, e o cuidado de valorizar as áreas verdes. Daí que, talvez não seja de admirar que, por exemplo, só no mês de maio, tenhamos tido mais de 800 novos clientes. Outro exemplo, é o nosso projeto Terraços de São Francisco, em Alcochete. Apenas com um mês de lançamento, já temos cerca de 30% de vendas realizadas. São números muito bons, atendendo à fase que atravessamos.

Mais informações em: http://www.jpsgrouprealestate.com

Acredita que o aumento do investimento fora dos centros urbanos, é uma nova tendência que veio para ficar?

Não esquecendo os aspetos negativos, a Covid-19 promoveu uma maior vivência das nossas casas e até, em alguns casos, um maior convívio familiar. Tal despoletou uma maior necessidade de olharmos com atenção para a nossa qualidade de vida. Na JPS GROUP, quase sempre apostámos em empreendimentos fora dos centros urbanos, mas ao mesmo tempo a pouca distância do centro. Valorizamos muito as áreas amplas e os espaços exteriores. E, qualquer um dos nossos empreendimentos tem sido um sucesso de vendas.

Muito se falou em crise no imobiliário no início da pandemia, mas este parece ser o sector menos afetado. Como está o mercado português a atravessar esta crise?

Com base nos nossos números e olhando também para os números que outros promotores têm anunciado, creio que já é possível afirmar que a esperada quebra não se tenha verificado de forma tão “dramática” como muito se especulou. Houve, naturalmente, uma redução na procura de produtos, sobretudo direcionados para os clientes estrangeiros, relativamente a períodos homólogos, o que é totalmente compreensível. Contudo, acredito que esta será uma recuperação à qual vamos assistir muito em breve.

Como vê o futuro do mercado imobiliário em Portugal?

Creio que o mercado está ativo e regista uma procura muito elevada. De uma forma geral, prevejo a continuação de uma boa recuperação para o setor imobiliário. Relativamente ao mercado interno, as famílias estão a querer comprar e as instituições bancárias continuam a conceder crédito à habitação com boas condições, o que são fatores que conjugados indiciam uma boa recuperação no imobiliário. A pandemia pode ter, infelizmente, abalado muitos setores, mas mais uma vez a história veio demonstrar que não há melhor investimento, nem mais seguro, do que o no setor imobiliário.

Em relação à JPS GROUP, qual é a expectativa de atividade até ao final do ano?

Lançámos, recentemente, as moradias do empreendimento Terraços de São Francisco, em Alcochete. E, mais uma vez estamos a ter um grande sucesso. Até ao final do ano vamos lançar os apartamentos dos Terraços de São Francisco e também a segunda fase de vendas do Green Valley Oeiras Residence, visto a primeira estar praticamente 100% vendida, e já termos clientes em espera para os T2 e os T3 da segunda fase. Acredito que seguindo o mesmo caminho que temos feito, só podemos ter sucesso e capacidade para ultrapassar os desafios difíceis que vão surgindo ao longo do caminho. Acredito profundamente que hoje a JPS GROUP tenha mais sucesso do que ontem e menos sucesso do que amanhã.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O mercado está ativo e regista uma procura muito elevada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião