Universidades e escolas de negócios em Espanha apostam em soluções inovadoras de avaliação online

  • Servimedia
  • 22 Setembro 2020

O objetivo é combater a fraude académica, ajudar os estudantes a desenvolver todas as capacidades, facilitando ao mesmo tempo a equidade nos processos de avaliação.

Garantir a autoria das obras dos estudantes, ensinando-lhes a importância do pensamento original e de citar corretamente e, por consequência, combater a fraude académica numa perspetiva que encoraje a aprendizagem e não apenas a punição, é um dos desafios enfrentados pelas universidades e escolas de negócios na formação online.

Este é um aspeto chave para manter a reputação das instituições de ensino que se está a tornar agora mais importante do que nunca. Isto numa altura em que o sector em Espanha está a sofrer uma mudança de paradigma acelerada pela pandemia de Covid-19, e a chamada “nova normalidade” que tem impulsionado a transformação digital no sector da educação.

A fraude académica em Espanha tem vindo a adquirir interesse nacional desde há alguns anos, com casos mediáticos como o mestrado da ex-presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes, o trabalho final de mestrado da ex-ministra da saúde, Carmen Montón, e a tese de doutoramento do presidente do governo, Pedro Sánchez.

Em todos eles, o papel do software anti-plágio Turnitin foi fundamental, pois determinou a percentagem de plágio de cada documento, colocando o índice de similaridade do trabalho da Ministra Montón, pela qual se demitiu, em 58%, e o da tese de doutoramento do Presidente Sánchez em 13%.

No novo cenário, salvaguardar a integridade académica e assegurar uma comunicação eficaz entre professores e estudantes num ambiente online torna-se um desafio ainda maior. Por este motivo, as instituições educativas estão cada vez mais empenhadas em soluções inovadoras que as ajudem a desenvolver todas as capacidades dos estudantes, facilitando ao mesmo tempo a equidade nos processos de avaliação.

A Confederação de Reitores de Universidades Espanholas (CRUE) tem vindo a promover e a recomendar a utilização deste tipo de ferramenta desde 2015 para garantir a qualidade e autenticidade do seu trabalho.

Desde então, as universidades e escolas de negócios em Espanha voltaram-se para empresas com soluções educativas tecnológicas que encorajam a adaptação de estudantes e professores a um cenário cada vez mais digital, onde novos métodos de fraude, como a contratação de terceiros para realizar trabalhos ou plágio por código, ameaçam a sua integridade.

Os avanços mais disruptivos nas tecnologias da educação mostram o caminho para a comunidade educativa não só detectar a fraude 2.0, mas também chegar à raiz do problema, encorajando novos processos de avaliação onde a natureza punitiva do feedback é convertida em aprendizagem positiva para o estudante.

Em Espanha, as soluções mais difundidas entre a comunidade educativa são as da empresa Turnitin, que possui a maior base de dados, e é utilizada por 65% das universidades espanholas, incluindo 11 das 500 melhores universidades do mundo, de acordo com o Ranking Académico Mundial de Universidades (ARWU), levado a cabo pela Shanghai Ranking Consultancy. Entre estas instituições encontram-se a Universidade Nebrija, a Universidade Pompeu Fabra, a Universidade de Salamanca, a Universidade de Granada ou a Universidade Autónoma de Madrid, para citar algumas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidades e escolas de negócios em Espanha apostam em soluções inovadoras de avaliação online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião