Galp Energia cai mais de 3% e BCP renova mínimos. Bolsa de Lisboa cede

A bolsa nacional destoou face aos ganhos registados pelas pares europeias. Queda de 3% da Galp e de quase 2% do BCP pressionaram o índice bolsista lisboeta.

A bolsa nacional terminou no vermelho em contraciclo face aos ganhos registados pelas pares europeias. O índice PSI-20 desvalorizou perto de 1%, cedendo à pressão sobretudo da Galp Energia que viu as suas ações recuarem mais de 3%, mas também do BCP que perdeu perto de 2%, renovando mínimos.

O PSI-20 desvalorizou 0,84%, para os 4.087,51 pontos, com 11 títulos a terminarem negativos, três inalterados e apenas quatro em terreno de ganhos. Na Europa, o cenário foi bastante distinto. O Stoxx 600, índice que agrega as 600 principais capitalizações bolsistas do Velho Continente — somou 0,7%.

Em Lisboa, a Galp foi o título que mais pesou no desempenho negativo do PSI-20, ao ceder 3,18% para os 8,28 euros, um mínimo de 23 de março.

Banco liderado por Miguel Maya nunca valeu tão pouco

Pressão adicional foi exercida pelo BCP. As ações do banco liderado por Miguel Maya desvalorizaram 1,64%, para os 8,39 cêntimos, tendo durante a sessão renovado um mínimo histórico ao tocarem os 8,37 cêntimos.

Também as papeleiras sobressairam pela negativa. Foi o caso da Navigator cujas ações recuaram 2,18% para os 2,152 euros, da Semapa com uma queda de 1,83% para os 7,51 euros, e da Altri que perdeu 1,71%, para os 3,908 euros.

Já o maior deslize foi registado pela Corticeira Amorim, com as suas ações a caírem 3,49% para os 10,50 euros.

Já a EDP e a Jerónimo impediram perdas mais acentuadas na praça bolsista lisboeta. Enquanto as ações da elétrica somaram 1,36%, para os 4,171 euros, as da retalhista avançaram 0,4% para os 13,81 euros.

(Notícia atualizada às 17h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp Energia cai mais de 3% e BCP renova mínimos. Bolsa de Lisboa cede

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião