BRANDS' ECO Região Centro bate recorde com 112 empresas Gazela

  • BRANDS' ECO
  • 25 Setembro 2020

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) identificou, pela primeira vez, mais de uma centena de empresas Gazela existentes na Região Centro em 2019. Ao todo, foram 112.

O conceito de empresa Gazela corresponde a empresas jovens, com cinco ou mais anos de atividade e com elevados ritmos de crescimento. Destacam-se pelo posicionamento diferenciador nos mercados, pela inovação e pela contribuição na criação de emprego.

“A utilização da inovação e da tecnologia, nos serviços, nos produtos e na gestão” das empresas Gazela “foi capaz de as diferenciar, contribuindo inequivocamente, para a criação de emprego e de riqueza na Região Centro”, referiu Isabel Damasceno, presidente da CCDRC.

Isabel Damasceno, presidente da CCDRC
Isabel Damasceno, presidente da CCDRC.D.R.

Desde 2012, a CCDRC já identificou 579 empresas Gazela, mas foi no ano 2019 que mais organizações cumpriram os critérios necessários para serem distinguidas com o prémio Gazela. Todas as apuradas foram constituídas a partir de 2010 e têm sede na Região Centro. Empregavam pelo menos 10 trabalhadores em 2018, tinham faturação igual ou superior a 500 mil euros também em 2018, e tiveram de apresentar crescimentos do volume de negócios superiores a 20% ao ano em 2016, 2017 e 2018.

As empresas distinguidas encontram-se em 42 municípios da Região Centro, no entanto, é nos concelhos de Leiria, Coimbra e Aveiro que se verificam em maior número.

Setor da construção com destaque ao longo dos anos

Desde que apura empresas Gazela, a CCDRC tem vindo a verificar que, ao longo dos anos, as organizações no setor da construção apresentam-se em maior número. No último ano, a tendência manteve-se.

Dentro da grande diversidade setorial das empresas Gazela apuradas em 2019, na qual coexistem setores tradicionais com setores de base tecnológica, destaca-se, novamente, a construção (25%) que, em conjunto com as indústrias transformadoras (23%) e o comércio (19%), representam 67% das empresas Gazela da região. A seguir, estão as atividades económicas de alojamento e restauração (6%) e de informação e de comunicação (5%), a representar 11% do total.

Volume de negócios e emprego nas Gazela

O volume de negócios das empresas Gazela apuradas em 2019 cresceu cerca de 16 vezes, isto porque faturaram 79 milhões de euros em 2015 e 1248 milhões de euros em 2018.

Aliado ao crescimento do volume de negócios está também o aumento de postos de trabalho nas empresas. A quantidade de pessoas ao serviço triplicou entre 2015 e 2018, ou seja, passou de 1261 trabalhadores para 3490.

Apesar de ocorrerem oscilações ao longo dos anos, em média, cada empresa Gazela 2019 emprega cerca de 31 trabalhadores e gera um volume de negócios de 11 milhões de euros (acima do valor médio dos anos anteriores pela existência de uma grande empresa).

“Nos últimos oito anos, temos vindo a acompanhar este segmento de empresas que gostaríamos de ver multiplicadas e distribuídas pela Região Centro, dado o seu contributo para a criação de emprego e riqueza”, reconheceu Isabel Damasceno.

"A Região Centro deve destacar e reconhecer as apostas, os riscos e a resiliência de todas as empresas, dos seus empresários e dos seus colaboradores, em contextos e territórios, muitas vezes, desfavoráveis e vulneráveis.”

Isabel Damasceno

Presidente da CCDRC

Exportações evidenciam-se nas médias empresas

As organizações que foram apuradas como “Gazela” em 2019 somaram, no total das exportações, cerca de 88 milhões de euros, o que representava, em termos médios, 7% do volume de negócios. Para o valor apresentado contribuíram, sobretudo, empresas Gazela de média dimensão. No caso de cinco empresas, o volume de exportações representava mais de 97% do volume de negócios.

Em termos globais, o montante de exportações do conjunto destas 112 empresas Gazela aumentou ligeiramente entre 2017 e 2018, de 6,5% para 7,1% do volume de negócios. As políticas públicas e o apoio dos fundos europeus são alguns dos fatores que têm contribuído para o desempenho económico das empresas Gazela.

Empresas Gazela procuram apoios nos sistemas de incentivos

Das empresas Gazela identificadas, 41 candidataram-se aos Sistemas de Incentivos do Portugal 2020. No total, as 92 candidaturas que as empresas apresentaram aos programas de incentivos representavam 97 milhões de euros de intenções de investimento.

O Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização das Pequenas e Médias Empresas (PME) foi o que obteve maior procura, com 43 candidaturas apresentadas e 17 milhões de euros de investimento. Já o Sistema de Incentivos à Inovação foi o que apresentou o maior volume de investimento, com 55 milhões de euros e 35 candidaturas.

Para as organizações com projetos aprovados está prevista a criação de 585 postos de trabalho, cujos níveis de qualificação igual ou superior a 6 (licenciatura, mestrado e doutoramento) vão passar de cerca de um quarto para um terço do total dos postos de trabalho.

“As políticas públicas, através do Portugal 2020, apoiaram os riscos e as apostas corridos pelas empresas na inovação, na qualificação e na internacionalização, na investigação e desenvolvimento, mas também nas infraestruturas, nos equipamentos e nos recursos humanos”, acrescentou a presidente da CCDRC.

Das empresas Gazela que se candidataram aos Sistemas de Incentivos do Portugal 2020, 68% já estão a ser apoiadas. Ao todo, são 44 projetos que representam 43 milhões de euros de investimento, 36 milhões de euros de investimento elegível e 17 milhões de euros de incentivo.

infografia empresas gazela 2019

“Estas empresas (Gazela) tiveram a ‘ousadia’ de se destacarem pelos seus indicadores e resultados, demonstrando dinamismo e sustentabilidade dos seus negócios. A Região Centro deve destacar e reconhecer as apostas, os riscos e a resiliência de todas as empresas, dos seus empresários e dos seus colaboradores, em contextos e territórios, muitas vezes, desfavoráveis e vulneráveis”, rematou Isabel Damasceno.

Consulte aqui​ o estudo completo, com a listagem das empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Região Centro bate recorde com 112 empresas Gazela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião