Já há 46 hotéis e alojamentos locais com camas para estudantes. Metade são em Lisboa

De norte a sul do país há cerca de meia centena de hotéis e alojamentos locais (incluindo guest houses e hostels) com camas para estudantes, com preços tabelados para alunos bolseiros.

Tal como o Governo queria, já começa a ser reforçada a oferta de camas para estudantes através dos operadores hoteleiros e de alojamento local. De acordo com informação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), já se contam 46 hotéis e unidades de alojamento local (incluindo hostels) que disponibilizam camas para bolseiros e não bolseiros. Metade destes alojamentos está em Lisboa.

Embora em menor número, nem os hotéis ficaram de fora desta iniciativa. Por enquanto são 11 as unidades hoteleiras que vão receber estudantes com preços tabelados (para o caso de alunos bolseiros), podendo ser cobrados valores diferentes — por acordos diretos — com alunos não bolseiros.

A oferta de hotéis atual é a seguinte: In Gold Hotel & SpaIn Gold Hotel & Spa (Águeda), Hotel Aveiro Center, Hotel Nordeste Shalom (Bragança), The 7 Hotel (Lisboa), Turim Luxe Hotel (Lisboa), Casa de São Mamede Hotel (Lisboa), Hotel Cruz da Mata (Mangualde), Hotel Vila Esteves (Monção), Hotel Mansão Alto Alentejo (Portalegre), Hotel Star inn Porto e Hotel Quasar (São Mamede de Infesta).

Já no caso do alojamento local, que incluem guest houses e hostels, a lista, que vai sendo atualizada, conta atualmente com 35 unidades. Deste universo, 23 são na zona de Lisboa, que concentra 50% da oferta atual.

O ECO questionou o MCTES para saber o número exato de camas que estes alojamentos estão a oferecer, mas até ao momento de publicação deste artigo não obteve qualquer resposta. Contudo, os números mais recentes adiantados pelo Ministério de Manuel Heitor dão conta de que a oferta privada foi reforçada com cerca de 2.400 camas — contando com as Pousadas da Juventude –, perfazendo um total de mais de 18 mil camas.

Tanto hotéis como alojamentos locais são obrigados a cobrar as rendas de acordo com os valores máximos estipulados pelo Governo — Lisboa, Cascais e Oeiras (285,23 euros), Porto, Amadora, Almada, Odivelas, Matosinhos (263,29 euros), Funchal, Portimão, Vila Nova de Gaia, Barreiro, Faro, Setúbal, Maia, Coimbra, Aveiro, Braga (241,35 euros) e 219,41 euros nos demais concelhos. Contudo, no caso de estudantes não bolseiros, não existe limite.

No caso do alojamento local, os proprietários podem pedir aos estudantes três meses adiantados de renda, um adiantamento que, segundo o site do MCTES, será facultado ao estudante mediante requerimento aos Serviços de Ação Social (SAS) da respetiva instituição universitária.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há 46 hotéis e alojamentos locais com camas para estudantes. Metade são em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião