País em duodécimos seria uma “irresponsabilidade”. “Ninguém está aqui para deitar a toalha ao chão”, diz Catarina Martins

Catarina Martins diz que o OE, como está, não tem condições para ser viabilizado pelo BE. Questionada sobre se admite um país em duodécimos, líder bloquista diz que seria uma "irresponsabilidade".

O Bloco de Esquerda (BE) ainda não tem fechada a votação da proposta de Orçamento do Estado para 2021, mas Catarina Martins diz que, como está, o documento “não tem condições para ser viabilizado” pelo partido. Líder bloquista afasta, contudo, a ideia de que o país possa chegar ao próximo ano em duodécimos, o que seria uma “irresponsabilidade”. “Ninguém está aqui para deitar a toalha ao chão”, atira, em entrevista à Rádio Observador.

“Espero que o primeiro-ministro não queira um país em duodécimos”, diz Catarina Martins, numa altura em que o Governo tenta chegar a um acordo com os parceiros da esquerda que possa viabilizar a proposta de OE 2021. O “BE tem estado a defender soluções para o país. Mesmo quando o Governo recusa as propostas apresentadas, o BE tem apresentado contrapropostas“, nota. E critica que “em vez de se enfrentar os problemas, há a chantagem da crise politica”.

Catarina Martins diz estar “muito concentrada em ter um OE que responda aos problemas” que o país atravessa, no meio de uma crise pandémica. Questionada sobre se seria melhor este OE ou um país em duodécimos, a líder bloquista afasta esse cenário, defendendo que é preciso continuar a trabalhar no sentido de se chegar a um documento que responda às necessidades do país.

“A proposta, tal como está, é má”, diz. Questionada se seria melhor duodécimos, em resultado de um chumbo da proposta do Governo, Catarina Martins diz que o que é “preferível é sermos sérios. E trabalhar para ter um OE que responda aos problemas do país”. Acrescenta que entrar em 2021 com duodécimos seria uma “irresponsabilidade”. “Estamos a viver uma das maiores crises de sempre. Ninguém está aqui para deitar a toalha ao chão”, rematou.

(Notícia atualizada às 10h26 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

País em duodécimos seria uma “irresponsabilidade”. “Ninguém está aqui para deitar a toalha ao chão”, diz Catarina Martins

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião