“É da responsabilidade de todos lutar contra a desinformação”, diz Madhav Chinnappa

  • Lusa
  • 31 Outubro 2020

Diretor de desenvolvimento do ecossistema de notícias da Google, Madhav Chinnappa, considerou, em entrevista à Lusa, que o combate à desinformação "é responsabilidade de todos".

O diretor de desenvolvimento do ecossistema de notícias da Google, Madhav Chinnappa, considerou, em entrevista à Lusa, que o combate à desinformação “é responsabilidade de todos” e defendeu a literacia mediática como uma das armas.

“É responsabilidade de todos lutar contra a desinformação”, afirmou Madhav Chinnappa, que trabalha em parcerias e colaboração entre a Google e a indústria de media como parte da Google News Initiative (GNI). “Da perspetiva da Google há três áreas: uma é o que fazemos na superfície, e isso é sobre as coisas que fazemos, como verificação de factos e fontes fiáveis. A segunda é o que fazemos com o ecossistema“, prosseguiu, recordando que Google.org, através da GNI, já financiou “mais de 10 milhões de dólares” para ajudar a combater a desinformação.

“Também trabalhamos com padrões para garantir que as organizações de verificação de factos estão a fazer isso de forma a que todos possam beneficiar”, disse. E há uma terceira parte, apontou, que tem a ver com a literacia mediática. “Acho que esta parte não é suficientemente falada”, acrescentou Chinnappa, que tem duas filhas em idade escolar.

“No Reino Unido ensinam as crianças a estarem seguras ‘online’. A literacia mediática também envolve ensinar as pessoas a serem inteligentes ‘online”, salientou Madhav Chinnappa. Mas a literacia mediática não se coloca apenas aos mais pequenos, já que os adultos partilham desinformação, sem terem a capacidade de destrinçar o que é verdadeiro ou falso. “Todos temos o mesmo problema, quer seja o tio maluco ou o teu filho. Para mim, essa é a parte educacional”, afirmou.

Temos vindo a trabalhar com as organizações de literacia mediática […]. Sei que não temos as respostas, ouvimos as pessoas e elas dizem é que é preciso ser incluído no currículo, na escola. E também é preciso trabalhar com o público mais velho para garantir que são educadas” nesta matéria.

“Quando comecei [a trabalhar] na AP [Associated Press] foi-me ensinada uma regra simples, que foi reforçada quando entrei na BBC: duas fontes”, referiu. Ou seja, “quando alguém te diz algo, precisas de duas fontes para verificar” a informação. E acho que o que aconteceu com o tempo é que se tem de ter cuidado em verificar essas duas fontes porque se elas estão dependentes de uma fonte, não são fontes”.

Este é um exercício que Madhav Chinnappa pratica com a sua família e filhas. “Frequentemente, com a minha família e as minhas filhas faço apenas perguntas simples como qual é a fonte disso? Verificaste?”, exemplificou.

Uma das coisas que a Google tem registado, disse, é que as pessoas utilizam muitas vezes este motor de pesquisa para verificar os factos. E verificar se a informação é verdadeira “é bom”, sublinhou, considerando que tal deveria ser um hábito. “É assim que deve ser, tal como tirar o leite do frigorífico e verificar que está dentro do prazo” de validade, comparou o responsável. Por isso, “quando tiver uma informação, verifique a fonte”, aconselhou.

Madhav Chinnappa começou a trabalhar na Google em 2010 para a Google News & Magazines na região da Europa, Médio Oriente e África, tendo trabalhado na indústria dos media desde 1994 – primeiro integrando a equipa que lançou a Associated Press Television (APTV), passando ainda pela BBC News, onde esteve cerca de nove anos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É da responsabilidade de todos lutar contra a desinformação”, diz Madhav Chinnappa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião