Consultora alerta startups para protegerem invenções antes do “pitch” da Web Summit

  • Lusa
  • 2 Novembro 2020

A Inventa International, especializada em propriedade intelectual, alertou os empreendedores que participem no concurso de "picht" da Web Summit para não se esquecerem de proteger as suas invenções.

A Inventa International, consultora especializada em propriedade intelectual, alertou os empreendedores que participem no concurso de picht da Web Summit para não se esquecerem de proteger as suas invenções antes de as apresentar publicamente.

Em comunicado, a entidade refere que, todos os anos, a cimeira tecnológica realiza um concurso de pitch e demonstrações de novos produtos, no qual ‘startups’ competem pela atenção dos investidores.

A Inventa International “alerta os empreendedores para não se esquecerem de proteger as suas invenções antes de as apresentarem publicamente, sob pena de perderem a possibilidade de obter uma patente”.

A edição deste ano da Web Summit realiza-se totalmente online entre 2 e 4 de dezembro. No pitch, “18 startups finalistas – de um total de 180 – irão apresentar as suas ideias em apenas dois minutos e competir pelo prémio final de melhor pitch, apresentando as suas invenções”, refere a consultora.

“A Inventa International alerta que essas mesmas invenções devem ser protegidas, no âmbito dos direitos de propriedade intelectual, incluindo patentes e de desenhos industriais, mas também marcas”.

João Francisco Sá, coordenador jurídico na Inventa International, citado em comunicado, explica que no caso das patentes e dos desenhos industriais, “estes têm de ser novos para cumprir os seus requisitos de concessão e lembra que a divulgação prévia à submissão do pedido viola o requisito da novidade”.

No que respeita o registo das marcas, o responsável salienta que a sua divulgação “antes da submissão o pedido de registo é um risco, porque terceiros podem arrogar-se de direitos sobre a marca e antecipar-se ao pedido de registo do titular legítimo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consultora alerta startups para protegerem invenções antes do “pitch” da Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião