BRANDS' ECO Os números que fazem da Finerge uma empresa sustentável

  • ECO + Finerge
  • 23 Novembro 2020

Fundada em 1996, a Finerge é a segunda maior produtora de energia renovável em Portugal e a sexta maior operadora eólica da Península Ibérica.

Uma presença sustentável é a forma que a Finerge concebe para estar no mundo, o que levanta a questão: qual é o impacto que a empresa tem no planeta? Nem tudo são números, mas há alguns que permitem colocar os temas em contexto. Eis alguns números que mostram o impacto da Finerge no mundo.

Com 1339 MW de capacidade instalada, a empresa produz anualmente cerca de 3.200 GWh de eletricidade exclusivamente a partir de fontes renováveis. Até ao final de 2020, a Finerge estima evitar a emissão de mais de 1700 quilotoneladas de CO2-equivalente (dióxido de carbono) para a atmosfera e permitir que mais de 650 mil pessoas consumam energia totalmente limpa. Contribuindo ativamente para o combate à crise climática, a Finerge é uma força motriz na prossecução das metas ambientais que Portugal e a União Europeia estabeleceram para 2050: atingir a neutralidade carbónica da economia, a fim de limitar o aumento da temperatura média global abaixo dos 1,50C.

A empresa tem deixado uma marca inegável na aposta nas energias renováveis. Numa primeira fase, em Portugal e, depois, no conjunto da Península Ibérica. Tem experiência a vários níveis da cadeia de valor, desde a fase de conceção e desenvolvimento de projeto, passando pela construção, até à exploração de centrais. Conta, atualmente, com 53 centrais eólicas e 16 centrais solares, em Portugal e Espanha, 739 aerogeradores e milhares de módulos fotovoltaicos com tecnologia de ponta, que recolhem a energia do vento e captam a energia do sol, transformando estas fontes de energia em eletricidade limpa.

E porque a sustentabilidade não se esgota na dimensão ambiental, a Finerge é também uma variável relevante na equação de crescimento do País, através da criação de empregos verdes e do fomento ao desenvolvimento socioeconómico das áreas rurais, da geração e distribuição de valor económico e da redução da dependência energética do País. Emprega, atualmente, mais de 200 colaboradores diretos e indiretos, em 46 concelhos do Norte, Centro e Sul de Portugal, bem como em três províncias de Espanha. Em Portugal, 2,5% da faturação da Finerge é entregue aos municípios onde opera e, até ao final de 2020, a empresa estima evitar a importação de combustíveis fósseis no valor de 82,7 milhões de euros.

O alinhamento da estratégia de crescimento da Finerge e do seu modelo de gestão com o Pacto Ecológico Europeu, o Plano Nacional Energia e Clima 2030 ou o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, é incontornável.

Com o compromisso de promover o desenvolvimento sustentável através da produção diversificada de eletricidade limpa e da adoção de práticas internas sustentáveis, a estratégia de sustentabilidade da Finerge centra-se na promoção do bem-estar e crescimento dos seus colaboradores, na ação climática e na proteção da natureza. Em particular, a empresa tem como missão:

  • Ser um empregador de referência, garantindo a inclusão e segurança no local de trabalho e assegurando a formação contínua dos seus colaboradores;
  • Contribuir para a mitigação das alterações climáticas através da produção de energia renovável, do fomento de soluções de eficiência energética e do apoio à inovação tecnológica;
  • Apoiar a proteção da natureza através de ações de conservação e proteção dos ecossistemas naturais e da biodiversidade, e da compra, uso e consumo responsável dos recursos.

Coerente com os princípios propostos pela Agenda Global 2030, a empresa subscreve 7 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), contribuído ativamente para 22 metas estipuladas pelas Nações Unidas, através de atividades internas ou em articulação com os seus stakeholders.

Com uma gestão rigorosa dos seus impactes nas pessoas e no ambiente e com uma estratégia de crescimento assente na produção de energias limpas, a Finerge procura ser parte ativa de um modelo económico neutro no clima, gerador de riqueza e bem-estar, e capaz de salvaguardar a resiliência dos ecossistemas naturais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os números que fazem da Finerge uma empresa sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião