EDP Distribuição deteta “avultada fraude”. Grupo empresarial roubava energia

  • Lusa
  • 30 Novembro 2020

Uma operação da EDP Distribuição detetou um grupo empresarial que adulterava ligações elétricas para se apropriar ilicitamente de centenas de milhares de quilowatt-hora (kWh) de eletricidade.

Uma operação da EDP Distribuição detetou uma “avultada fraude” nas ligações elétricas de um grupo empresarial, que adulterava ligações aos equipamentos de contagem, permitindo a apropriação ilícita de centenas de milhares de quilowatt-hora (kWh) de eletricidade.

“Uma operação de deteção de fraude nas instalações industriais de um grupo empresarial realizada, na passada semana, pela EDP Distribuição permitiu identificar oito situações irregulares”, divulgou, em comunicado, a empresa que passou a chamar-se E-Redes, em janeiro, por imposição da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Segundo o operador das redes de distribuição de energia, a ação de fiscalização foi efetuada por cinco equipas da EDP Distribuição e feita em simultâneo em várias instalações do mesmo grupo empresarial, depois de já terem confirmado uma situação de fraude numa daquelas unidades. A ação detetou adulterações das ligações aos equipamentos de contagem de eletricidade, que, segundo a fatura E-Redes, permitiam a apropriação ilícita de centenas de milhares de kWh de energia elétrica.

Nos últimos anos, a gestora das redes de distribuição de energia tem assistido a um “crescimento destas práticas ilícitas no segmento empresarial que, apesar de representar menos de 1% dos clientes em Portugal, contribui com 40% do total da energia consumida em fraude (valor da contribuição média desde 2017 ao presente)”.

Todos os anos, a a futura E-Redes realiza cerca de 600 mil operações de instalação de equipamentos de medição inteligente e cerca de 40 mil inspeções específicas para a identificação de situações de apropriação ilícita de energia.

“Além do reforço da capacidade tecnológica e analítica, também a adoção de operações concertadas no terreno — nomeadamente através da identificação de instalações industriais que apresentam elementos em comum — tem contribuído para o aumento da eficácia na deteção de situações de apropriação de energia”, esclareceu.

A prática de fraude e de furto de energia elétrica é classificada como crime e “é uma ameaça à segurança de pessoas e bens, para além de afetar também toda a cadeia de valor, nomeadamente consumidores, comercializadores e Estado”, aponta a fatura E-Redes. A empresa disse, ainda, que tem procurado “aumentar a consciencialização para este tema e robustecer o enquadramento legal com medidas mais dissuasoras destas práticas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP Distribuição deteta “avultada fraude”. Grupo empresarial roubava energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião