Fiscalização da ACT deteta 738 empresas que não cumpriam regras pandémicas

Numa fiscalização da ACT feita a mais de mil empresas, 70% não cumpriam a obrigatoriedade do teletrabalho e o uso de máscara pelos trabalhadores.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) realizou uma fiscalização a mais de 1.000 empresas para controlar se estas cumpriam as regras pandémicas, nomeadamente a obrigatoriedade do teletrabalho e o uso de máscara pelos trabalhadores. 70% das empresas estavam em incumprimento, mas a entidade diz que já foi corrigida a esmagadora maioria das situações.

A entidade controladora fiscalizou cerca de 1.050 empresas, num total de 40.800 trabalhadores, no âmbito de uma ação nacional com o objetivo de verificar o cumprimento da obrigatoriedade do teletrabalho e do uso de máscaras no local de trabalho. Esta ação envolveu 247 inspetores de todo o país e foi direcionada a empresas “com base em indicadores de risco de incumprimento ou em denúncias”, refere a ACT, em comunicado.

De todas as empresas fiscalizadas, 738 não cumpriam estas normas pandémicas, mas a ACT refere que já foram corrigidas 88% destas situações. Entre as infrações detetadas, as mais frequentes estavam relacionadas com a “exposição a agentes biológicos, prescrições mínimas de segurança no local de trabalho e com o regime de teletrabalho obrigatório”. No total, foram adotados 1.366 procedimentos inspetivos.

No que toca à distribuição por dimensão, 29% das empresas abrangidas foram grandes empresas, 29% microempresas, 22% pequenas empresas e 20% médias empresas. Foi no distrito de Lisboa que se concentrou o maior número de empresas visitadas (25% do total), seguido dos distritos de Setúbal e Porto (ambos com 13%), Braga (12%), Coimbra, Aveiro e Faro (cada um com 6%).

Até à data, deram entrada na ACT 655 pedidos relativos à aplicação do teletrabalho obrigatório, tendo já sido concluídos 83% destes processos.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Fiscalização da ACT deteta 738 empresas que não cumpriam regras pandémicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião