BRANDS' ECO Pára, Escuta e Recruta!

  • BRANDS' PESSOAS
  • 1 Março 2021

O futuro do recrutamento está na experiência dos candidatos de hoje.

 

O que os candidatos exigem de um processo de recrutamento mudou tanto como aquilo que exigem das suas próprias condições de trabalho. Afinal, é no processo de recrutamento que se constrói a primeira imagem sobre a empresa a integrar. A introdução de novas tecnologias, diferentes metodologias e práticas criteriosas de contratação mostram sinais de um recrutamento cada vez mais profissionalizado e especializado.

Os candidatos hoje promovem a sua exposição através de fóruns, redes sociais profissionais ou plataformas de partilha de feedback de empresas e funções (ex. Glassdoor), resultando daqui um maior acesso a informação e o aumento de interações entre candidatos e empresas. Tudo isto alimenta um olhar mais exigente por parte de quem participa num processo de recrutamento.

E a verdade é que é a melhor forma de desenvolver um processo de recrutamento de qualidade é conhecendo as preferências dos candidatos. No fundo, considerar a sua perceção durante o mesmo e criar uma boa experiência pode começar desde logo por conhecer as suas expectativas!

Candidate experience

Um inquérito realizado pela Multipessoal no final de 2020 a 3.401 candidatos, permitiu-nos perceber que 64% dos inquiridos valorizam a partilha dos detalhes do projeto no momento de apresentação de uma oportunidade. Esta apresentação poderá acontecer logo na publicação do anúncio ou no primeiro contacto com o recrutador. Os salários e benefícios associados aparecem na segunda posição com 25% das intenções.

O formato da entrevista tem também sofrido, inevitavelmente, algumas modificações. Não só por causa da situação pandémica, mas fundamentalmente pela crescente utilização de novas tecnologias e proliferação de um contacto mais virtual. Desta forma, 37% dos candidatos preferem que a primeira entrevista seja realizada através de uma videochamada, mantendo a preferência pela tradicional entrevista presencial 44% do mesmo universo de candidatos. Desta forma a entrevista telefónica continua a ser considerada uma forma menos adequada para a realização de entrevista.

Dependendo da empresa, função ou até do candidato podem existir diferentes fases num processo de recrutamento. A entrevista mantém-se como padrão, mas assistimos também à aplicação de assessments em alguns processos. Muitas vezes essa aplicação é vista como um fator de entropia pelos candidatos e assiste-se a um aumento natural de desistências por parte dos mesmos, simplesmente por falta de resposta. É o que podemos chamar uma triagem orgânica. Os 48% de candidatos que indicam preferir um processo de R&S sem a aplicação de assessments, assim o comprovam. Mesmo numa circunstância em que tenhamos que considerar a sua aplicação, 27% considera que prefere que tal aconteça em fases posteriores às entrevistas.

A participação de um candidato num processo de recrutamento pode dever-se a diversos factores que as empresas deverão ter em conta na criação de proposta de valor ao candidato. Mas de que factores podemos estar a falar? 42% dos inquiridos tem em maior consideração o salário e benefícios, outros 42% a cultura da empresa e 15% a flexibilidade horária e possibilidade de desenvolver parte do seu trabalho remotamente.

Mariana Oliveira, National Manager da área de Recrutamento e Seleção Especializado da Multipessoal.

 

A jornada do candidato

A jornada do candidato num processo de recrutamento é composta por todas as fases pelas quais o mesmo é sujeito, desde o primeiro contacto com a empresa até ao término do processo. Ouvindo os profissionais conseguimos pensar e traçar a jornada ideal de um candidato em Portugal.

1) A jornada começa num primeiro contacto que inclua uma partilha de informação relevante sobre o projeto, para além do típico descritivo funcional. Saber em que contexto surge a posição, como está organizada a equipa que vai integrar e em que tipo de projetos irá trabalhar, revelam-se essenciais para que o candidato perspetive com clareza a sua missão;

2) As entrevistas devem ser momentos em que seja possível extrair o máximo de informação não só no que se refere à experiência do candidato e ao seu comportamento, mas também do ponto de vista mais técnico. No caso de ser realmente necessário a aplicação de testes técnicos ou assessments, sempre que possível, devem ser deixados para as fases finais dos processos;

3) Por fim, na apresentação da proposta de valor ao candidato, para além do salário e benefícios financeiros associados deverá ser partilhada, de forma clara, a cultura e ambiente da empresa, bem como a sua flexibilidade em relação a horários e possibilidade de trabalho remoto.

O desafio de um mercado Tech

Os números revelam-se distintos se nos focarmos nos profissionais nas áreas de Tecnologias de informação.

Essencialmente um processo claro, rápido e com o máximo de informação numa primeira fase, constituem o método perfeito para potenciar o sucesso deste tipo de recrutamentos que apresentam um dinamismo acrescido. Num primeiro contacto, 51% dos candidatos de IT consideram fundamental que seja feita uma apresentação detalhada da oportunidade, enquanto 43% refere que é importante que exista uma partilha clara em relação ao salário e benefícios disponíveis para a função. Apenas 6% considera relevante saber o nome da empresa no momento inicial.

A primeira entrevista tem na videochamada o canal de contacto preferencial, na opinião de 63% dos inquiridos, seguindo-se a opção de chamada telefónica com 22% e apenas 15% de forma presencial.

Durante o processo, a aplicação de testes técnicos motiva alguma desmotivação por parte dos candidatos, sendo que 49% dos inquiridos prefere que o processo seja conduzido só com o recurso a entrevistas ou, em caso de necessidade de aplicação de testes técnicos, que tal aconteça em fases posteriores à realização de entrevistas.

Por fim, no momento de integração efetiva, 42% dos candidatos terá em conta o salário e benefícios que a empresa terá para oferecer, enquanto 26% tenderá a valorizar mais a sua cultura e os seus valores e 25% considerará especialmente importante a possibilidade de ter um horário flexível e/ou trabalho remoto.

Os interesses e as opiniões podem ser diferentes, mas os processos de recrutamento devem ser sempre um exemplo de respeito e consideração por aqueles que neles participam.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pára, Escuta e Recruta!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião