Portugal não precisa “das bazucas para ir às compras”, diz Jerónimo de Sousa

  • Lusa
  • 26 Maio 2021

Jerónimo de Sousa defende que “é fundamental que os fundos não sejam simplesmente gastos a ir às compras de bens ou serviços".

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou esta quarta-feira a dependência de Portugal “das bazucas, para ir às compras” e exortou o Governo a investir na indústria para preencher as carências de desenvolvimento do país.

“Nós não precisamos das bazucas para ir às compras, precisamos de investimento para produzir e criar emprego”, disse o dirigente comunista durante uma reunião com os militantes que aderiram ao partido durante o último ano, em Lisboa.

Para o PCP, prosseguiu Jerónimo de Sousa, “é fundamental que os fundos não sejam simplesmente gastos a ir às compras de bens ou serviços, e antes sejam aplicados numa política integrada que vise o desenvolvimento industrial”, de modo a contribuir para a “reconstrução do aparelho produtivo” do país, para aumentar a “criação de riqueza” e diminuir as “importações e dependência externa”.

“Bazuca” foi a palavra escolhida para apelidar os milhares de milhões de euros que a União Europeia vai disponibilizar para os Estados-membros recuperaram da crise provada pela pandemia, com especial enfoque no ambiente e na digitalização.

Perante uma pequena plateia de militantes, visivelmente separados por causa da pandemia, o secretário-geral utilizou como exemplo a aquisição de 14 “unidades triplas” para reforçar a oferta do Metropolitano de Lisboa e que corresponde a um investimento de “quase 100 milhões de euros”.

“Esse investimento público vai ter uma contrapartida importante: vamos passar a ter mais comboios ao serviço, vamos poder alargar a rede e a oferta. Mas esses comboios vão ser comprados a uma empresa privada, austríaca, e vão ser fabricados em Espanha”, completou.

Jerónimo ‘apontou o dedo’ ao “Governo PS e as suas opções ao serviço do grande capital”, assim como a “submissão às imposições da União Europeia, ao mesmo tempo que o grande capital aposta nos projetos reacionários do PSD, CDS e dos seus sucedâneos do Chega e da Iniciativa Liberal”.

O dirigente comunista acrescentou que “a apropriação” do progresso científico, aludindo, por exemplo, à descoberta de inúmeras vacinas contra o SARS-CoV-2, “ao serviço do capital, não só impede o seu aproveitamento para responder às necessidades humanas, como é usado para fragilizar direitos e agravar a exploração”.

E para os militantes que aderiram ao partido no início da terceira década de 2000, a quem se destinava o encontro desta quarta-feira, Jerónimo de Sousa deixou uma garantia de que o PCP vai manter “um papel insubstituível na vida nacional”, em que objetivo, segundo o secretário-geral, é o da “emancipação humana”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal não precisa “das bazucas para ir às compras”, diz Jerónimo de Sousa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião