Galp Energia corta investimentos em 20% ao ano até 2025

O investimento líquido médio será de 800 milhões a mil milhões de euros por ano durante 2021-25. É um corte de cerca de 20% face ao plano atual.

A Galp Energia reviu em baixa o montante destinado a investimentos nos próximos anos. A empresa liderada por Andy Brown vai reduzi-los em um quinto face ao plano anterior, com o negócio da exploração petrolífera a absorver a maior “fatia” dos investimentos. No entanto, há uma maior aposta nas energias renováveis rumo à descarbonização.

“O investimento líquido médio de 800 milhões a mil milhões de euros por ano durante 2021-25, [representa] uma redução de cerca de 20% em comparação com o plano anterior“, refere a Galp Energia na atualização do seu plano estratégico, no âmbito do Capital Markets Day. “A previsão para 2021 é mantida entre 500 e 700 milhões de euros”, diz.

De acordo com a petrolífera, “a média de investimento líquido inclui iniciativas de gestão de portefólio para apoiar o nosso plano de investimento, cristalizar valor e manter uma posição financeira robusta”.

Para onde vão estes milhões de euros? A Galp Energia revela que “o upstream [exploração de petróleo] representa cerca de 40% do investimento líquido previsto do grupo, incorporando maioritariamente projetos já sancionados, incluindo o Bacalhau I”. A refinação de combustíveis absorverá 10% do investimento, enquanto a distribuição destes ficará com cerca de “15% do investimento líquido”.

Mais de metade do investimento será em negócios associados ao petróleo, sendo que o remanescente vai ser aplicado pela empresa liderada por Andy Brown na transição energética.

A Galp é já um dos principais players da energia solar fotovoltaicos na Península Ibérica. “Atualmente focados em desenvolver e maximizar os retornos dos nossos projetos, pretendemos expandir o portefólio, diversificando geografias e tecnologias”, o que obrigará a alocar cerca de “30% do investimento líquido do grupo” neste negócio das renováveis.

Do hidrogénio verde às baterias

A aposta da empresa na transição energética passa também pelo que designa de “novas energias”. Assumindo-se interessada em “identificar e acelerar soluções de negócio alinhadas com a transição energética e que sejam, simultaneamente, inovadoras e com potencial de escala”, a Galp vai alocar “5% do investimento líquido do grupo durante 2021-25” nestas energias.

Como? “Encontramo-nos numa posição privilegiada para desenvolver soluções de hidrogénio verde, usufruindo das nossas capacidades industriais”, diz a empresa, acrescentando que “tenciona desenvolver até 2025 um projeto de um eletrolisador com uma capacidade de 100 MW, com posterior potencial de expansão para 0,6-1,0 GW, caso o modelo de negócio seja comprovado”.

Além do hidrogénio verde, “encontramo-nos também a avaliar oportunidades de entrada na cadeia de valor das baterias, pretendendo antecipar as necessidades alinhadas com a estratégia europeia”. A Galp, diz, está a “posicionar-se para expandir as suas atividades para o processamento químico de lítio em Portugal, garantindo matéria-prima e desenvolvendo parcerias importantes”.

(Notícia atualizada às 7h33 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Galp Energia corta investimentos em 20% ao ano até 2025

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião