Pandemia dispara procura por alimentos saudáveis e portuguesa Iswari já alimenta 18 países

A marca portuguesa Iswari comercializa cerca de 120 produtos bio, livres de glúten e lactose e à base de plantas. Todos os produtos são certificados pela Vegan Society e feitos de forma sustentável.

“Diz-me como comes, dir-te-eis quem és”. Nunca esta frase fez tanto sentido numa altura em que os consumidores se preocupam, cada vez mais, com alimentos orgânicos, isentos de glúten ou lactose, 100% naturais e livres de açúcar, sal e gorduras. Com esta permissa em mente nasceu a Iswari.

É uma marca portuguesa que se assume como líder de mercado na área dos superalimentos. Conta com mais de 120 produtos distribuídos por outras seis categorias: pequenos-almoços, nutrição desportiva, superalimentos puros, bakery, bebidas funcionais e “toppings” / snacks.

A Iswari foi criada em 2010 por Gonçalo Sardinha depois de lhe ter sido diagnosticado uma doença grave do cólon. Após o problema de saúde, decidiu partir para a Índia com a sua família onde aprendeu mais sobre mindfulness, yoga, comida crua e o poder da cura através das plantas. Mais tarde surgiu a Iswari que já conquistou 18 países.

“Continuamos focados em desenvolver produtos únicos, práticos e fáceis de integrar nas rotinas de alimentação diária e que ajudem os consumidores a manterem o seu organismo em pleno funcionamento, a começar o dia em pleno, no fundo a viver melhor”, explica ao ECO, Tiago Vilela, diretor de marketing da empresa.

A pandemia espoletou a procura por alimentos saudáveis. Para a marca portuguesa Iswari, a Covid-19 “veio revolucionar não só a forma como nos relacionamos, como nos movemos, mas também o que comemos”.

Todos os produtos da Iswari são feitos de forma sustentável, livres de OGM, pesticidas, fertilizantes ou antibióticos.

Tiago Vilela

Diretor de marketing da Iswari

Em ano de pandemia, a empresa portuguesa alcançou oito milhões de euros em faturação. O mercado externo vale mais de dois terços do volume de negócios da empresa, com destaque para o mercado francês, seguido de Espanha, Itália, Irlanda e República Checa.

Todos os ingredientes são orgânicos, certificados pela Association of European Coeliac Societies e pela Vegan Society. Uma garantia para as pessoas que não consomem produtos de origem animal por razões de saúde ou éticas. O diretor de marketing conta ainda que “todos os produtos são feitos de forma sustentável, livres de OGM, pesticidas, fertilizantes ou antibióticos”.

O que são superalimentos? O diretor de marketing da ISWARI explica ao ECO que os superalimentos (ou ingredientes funcionais) são assim designados por possuírem valor energético, elevadas concentrações de nutrientes essenciais como vitaminas, minerais, enzimas e/ou fitoquímicos antioxidantes.

Tiago Vilela acrescenta ainda que os superalimentos podem também ser vistos como alimentos superconcentrados energética e nutricionalmente, que “fornecem ao organismo uma dose extra de aminoácidos, vitaminas, minerais e outros nutrientes, de uma forma 100% natural, equilibrada totalmente assimilável pelo corpo, o que não acontece com os complexos vitamínicos e minerais sintéticos e possuem elevados benefícios para a saúde”.

O público-alvo são pessoas preocupadas com a alimentação, pessoas com condições ou restrições dietéticas especificas como os doentes celíacos, veganos ou simplesmente para pessoas que procuram controlar o peso e glicemia, reforçar a saúde intestinal, o sistema imunitário, sistema cardiovascular, entre outros.

Os produtos estão à venda nas lojas online da Iswari, dos clientes da marca e de alguns “pure players” de e-commerce espalhados pela Europa. Além disso, vendem no retalho físico em diversos locais especializados, nomeadamente lojas de alimentação saudável, como as lojas Celeiro, Go Natural e Miosótis em Portugal.

Aliado a uma alimentação saudável está o desporto e como tal a empresa portuguesa lançou a gama Super Vegan Fitness. A nova gama apresenta produtos específicos para consumir antes, durante e após cada treino – de uma forma totalmente saudável, 100% natural e livre de químicos.

Este ano, lançaram a gama de Baking, onde é possível cozinhar pão e panquecas saudáveis. Uma aposta que surgiu no âmbito da pandemia. “Queríamos conseguir proporcionar uma experiência de pastelaria saudável sem sair ter que sair de casa. E o feedback foi bastante positivo”, conclui o diretor de marketing.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pandemia dispara procura por alimentos saudáveis e portuguesa Iswari já alimenta 18 países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião