Corticeira Amorim paga 14,5 milhões por 50% da Herdade de Rio Frio

A Corticeira Amorim chegou a acordo com o BCP para comprar 50% da Cold River's Homestead, a sociedade que detém a Herdade do Rio Frio, que pertenceu ao BPN.

A Corticeira Amorim assinou esta quinta-feira um acordo com o BCP para comprar a participação de 50% que o banco tem na Cold River’s Homestead, a sociedade que detém a Herdade de Rio Frio, que pertenceu ao BPN. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por António Rios Amorim acrescenta que tem ainda um acordo para adquirir os restantes 50%, que pertencem à Parvalorem, confirmando, assim, a notícia avançada pelo ECO no início da semana.

“A Corticeira Amorim, através da sua participada Amorim Florestal, concluiu hoje um acordo com o Banco Comercial Português para a aquisição de 50% da sociedade Cold River’s Homestead (…), a qual tem um conjunto de ativos (bens móveis e imóveis) afetos à exploração agroflorestal, que constitui uma parte (3.300 hectares) da chamada Herdade do Rio Frio, situada no distrito de Setúbal, pelo valor total de 14.525.000 de euros“, lê-se.

No mesmo comunicado, a empresa acrescenta que “tem, ainda, um acordo com a Parvalorem para a aquisição dos restantes 50% da sociedade Cold River’s Homestead, o qual está condicionado à verificação de determinados requisitos, cuja concretização se espera vir a ser possível no curto prazo”. A empresa confirma, assim, a notícia dada pelo ECO no início da semana.

Este interesse da Corticeira na Herdade de Rio Frio está relacionado com o Projeto de Intervenção Florestal que a empresa tem em curso, cujo objetivo é “assegurar a manutenção, preservação e valorização das florestas de sobro e desenvolvimento do sobreiro, aumentar as suas produções através de processos e tecnologias inovadores já experimentados noutras zonas e, desta forma, aumentar o sumidouro de carbono do montado e contribuir para a neutralidade carbónica da empresa e do país”.

Com esta aquisição, a corticeira pretende “melhorar a produtividade da atividade agroflorestal da Herdade do Rio Frio, designadamente através de adensamentos a implementar neste montado único, com processos já experimentados em outras localizações”.

Depois de o BPN falir, todos os ativos tóxicos que o banco tinha foram transferidos para a Parvalorem, que se tem vindo a desfazer deles desde então. Uma dessas “heranças” foi a Herdade de Rio Frio, propriedade da sociedade Cold River’s Homestead, constituída em março de 2018. Essa sociedade é detida em 50% pela Parvalorem (tutelada pelo Ministério das Finanças) e noutros 50% pelo BCP.

A Herdade de Rio Frio tem uma área de 3.600 hectares, dos quais 2.600 hectares são sobreiros e cerca de 130 são vinha. O interesse do Grupo Amorim deverá estar na parte dos sobreiros, pela produção de cortiça. Na propriedade realiza-se também produção de arroz e de gado. A herdade inclui ainda o Palácio de Rio Frio, num terreno ao lado, que está nas mãos do Novo Banco.

(Notícia atualizada às 17h04 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Corticeira Amorim paga 14,5 milhões por 50% da Herdade de Rio Frio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião