“É natural” que devedores fiquem na mira da Justiça, diz Fernando Anastácio

  • ECO
  • 22 Julho 2021

Fernando Anastácio aponta que os grandes devedores “criaram um prejuízo tremendo” ao Novo Banco, pelo que  diz que é "natural" que estejam na mira da Justiça.

Fernando Anastácio, deputado relator da comissão de inquérito ao Novo Banco, aponta que os grandes devedores “criaram um prejuízo tremendo” à instituição, pelo que diz que é “natural” que os portugueses esperem que “as instâncias competentes os responsabilizem”, sublinha, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago).

Questionado ainda sobre se espera que além de Luís Filipe Vieira, os restantes grandes devedores sejam responsabilizados pela Justiça, o deputado socialista assinala que esse é “um trabalho da Justiça” e dos bancos, que têm de cobrar os seus créditos, mas espera que “quando há incumprimento haja ação de quem tem obrigação de cobrar”.

“E espero que as medidas sejam cada vez mais eficazes para que os contribuintes não sejam confrontados com as perdas no sistema financeiro e bancário”, refere, ao mesmo jornal. Entre as melhorias que podem ser feitas em comissões de inquérito do género, Fernando Anastácio admite ter havido “alguns constrangimentos de acesso a documentação”, devido à confidencialidade da documentação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“É natural” que devedores fiquem na mira da Justiça, diz Fernando Anastácio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião