Turismo recupera em junho, mas ainda está muito abaixo dos níveis pré-pandemia

Atividade turística continuou abaixo dos níveis pré-pandemia em junho, com menos visitas de estrangeiros. Ainda assim, no semestre, os proveitos médios por dormida aumentaram face ao ano passado.

O turismo continuou a recuperar face a 2020, em junho, mas a atividade no setor ainda está a cerca de metade dos níveis pré-pandemia, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira. A subida dos preços das dormidas aumentou no primeiro semestre, face ao ano passado, ajudando a compor os proveitos dos alojamentos.

“O setor do alojamento turístico registou 1,4 milhões de hóspedes e 3,4 milhões de dormidas em junho de 2021, o que compara com 476,7 mil hóspedes e 1,0 milhões de dormidas em junho de 2020″, adianta o INE. No entanto, face a junho de 2019, registou-se uma queda de 50,1% nos hóspedes e 52,6% nas dormidas.

A grande diferença, como já era expectável, está nos turistas estrangeiros. Quando se compara com junho de 2019, “observaram-se decréscimos de 7,6% nas dormidas de residentes e de 72,0% nas dormidas de não residentes”. De recordar que este foi o mês em que o Reino Unido retirou Portugal da lista “verde” de destinos para viajar, tendo apenas voltado em julho, para os vacinados.

Já os proveitos nos estabelecimentos de alojamento turístico chegaram aos 212,7 milhões de euros, o que está também abaixo de junho de 2019. Mas olhando para o semestre, “o proveito médio por dormida atingiu 41,9 euros, o que se traduziu num crescimento de 12,6% face ao mesmo período de 2020 (-2,7% quando comparado com o primeiro semestre de 2019)”, segundo o INE.

Continuando a observar os números para os primeiros seis meses do ano, “verificou-se uma diminuição de 21,3% das dormidas totais, resultante de variações de +23,7% nos residentes e de -50,8% nos não residentes”, explica o INE. Já houve mais movimento dos portugueses, nesta época de férias, mas turistas estrangeiros continuaram receosos. Já comparando com o mesmo período de 2019, “as dormidas registaram uma diminuição de 73,4% (-42,3% nos residentes e -85,9% nos não residentes)”.

Alentejo e Açores “ganham” o semestre

Quanto às regiões, o Algarve e Lisboa dominaram a escolha dos turistas em junho. Contudo, no primeiro semestre deste ano, apenas nos Açores (+28,2%) e no Alentejo (+15,4%) se registaram subidas no número de dormidas, enquanto nas outras regiões estas diminuíram.

No que diz respeito aos proveitos totais, estas duas regiões também se destacaram no primeiro semestre. Em conjunto com o Algarve, foram as únicas que registaram crescimento face ao mesmo período do ano anterior.

No indicador que mede o proveito médio por dormida, o padrão é semelhante, sendo que os maiores aumentos se verificaram no Algarve (+62,8%), Açores (+24,8%) e Alentejo (+24,3%), de janeiro a junho de 2021, face ao ano passado.

(Notícia atualizada às 12h00)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Turismo recupera em junho, mas ainda está muito abaixo dos níveis pré-pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião