Draghi quer tornar vacina contra a Covid-19 obrigatória em Itália

  • Joana Abrantes Gomes
  • 2 Setembro 2021

O primeiro-ministro italiano afirmou que a vacinação contra a Covid-19 tornar-se-á obrigatória caso a EMA e a agência italiana do medicamento o permitam. Também defende a dose de reforço.

A vacinação contra a Covid-19 será obrigatória em Itália caso a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) e a Agência Italiana do Medicamento (AIFA) o permitam, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, que aguarda também a permissão das autoridades de saúde para a dose de reforço.

Questionado, em conferência de imprensa, se “a vacinação será obrigatória, caso a EMA e a AIFA o permitam”, a par com a terceira dose, Mario Draghi, citado pela agência noticiosa do país ANSA, respondeu: “sim a ambas as perguntas”. “A campanha está a avançar rapidamente e, no final de setembro, 80% da população terá sido vacinada“, disse, assinalando que, de momento, há 70% de cidadãos italianos totalmente vacinados.

“Reitero o convite para que se vacinem, um ato para vocês mesmos e para com os outros”, acrescentou o primeiro-ministro italiano, que destacou ainda o “grande entusiasmo” com que a população mais jovem aderiu à campanha de vacinação contra a Covid-19.

(Notícia atualizada às 16h32)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Draghi quer tornar vacina contra a Covid-19 obrigatória em Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião