PCP recusa argumento das “contas certas” para viabilizar orçamento

  • Lusa
  • 22 Outubro 2021

"Fazem mal, erram, aqueles que pensam que este partido é manobrável", avisou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, deixou esta sexta-feira um aviso ao Governo de que não aceita o argumento do primeiro-ministro das “contas certas” para viabilizar o Orçamento de Estado (OE) para 2022.

Não se venha, como temos assistido insistentemente nestes últimos dias, com o argumento da necessidade de uma política de ‘contas certas’ assente em anacrónicos critérios em relação ao défice e à dívida, longe das necessidades de um País e em seu prejuízo”, disse Jerónimo de Sousa num comício em Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal.

Para o líder comunista, as ‘contas certas’ de que fala o primeiro-ministro “servem para favorecer os negócios que o grande capital monta à mesa do Orçamento do Estado, como é o caso do negócio da saúde, cada vez mais nas mãos do grande capital monopolista e em detrimento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e do direito à saúde dos portugueses”.

Contas certas que nunca são uma preocupação quando se trata de garantir os milhões para a banca, mas que nunca batem certo chegada a hora de dar resolução aos problemas dos trabalhadores e do povo”, acrescentou Jerónimo de Sousa, argumentando que tem sido esta a política de ‘contas certas’ dos sucessivos governos do PS, PSD e CDS-PP.

No comício em Alcácer do Sal, o líder comunista defendeu que o OE “tem de se inserir numa resposta global aos reais problemas que se colocam ao desenvolvimento do País”, mas acrescentou que o Governo do PS “parece não querer percorrer esse rumo que o País precisa”.

A situação do País reclama medidas concretas que traduzam um sinal claro de se agir para abrir um caminho capaz de responder ao que é preciso. Agir, desde logo para garantir um desenvolvimento económico e social sustentado, objetivo em que o aumento geral dos salários e a valorização das carreiras e profissões se afirma como emergência nacional e decisiva para o futuro do País”, disse Jerónimo de Sousa.

Travar a saída de milhares de trabalhadores para o estrangeiro, garantir o povoamento do território nacional, promover uma melhor distribuição da riqueza, para estimular a economia, e a fixação do Salário Mínimo Nacional nos 850 euros, foram outras prioridades enunciadas pelo líder comunista.

A fechar o comício em Alcácer do Sal, Jerónimo de Sousa garantiu ainda que o “PCP não é um partido manobrável”.

Fazem mal, erram, aqueles que pensam que este partido é manobrável, que este partido se esquece, durante os 100 anos da sua existência, de estar sempre do lado certo, do lado dos trabalhadores e do povo, dos que mais sofrem, dos mais discriminados, dos que sofrem as injustiças e as desigualdades. Não mudamos de campo, seja por que razão for”, assegurou o líder do PCP.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PCP recusa argumento das “contas certas” para viabilizar orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião