Liberais alemães coligação para o governo

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2021

Governo de coligação integra o SPD, que designa o chanceler, os Verdes e os liberais, que ficam com a pasta das Finanças.

Os liberais alemães aprovaram este domingo em congresso extraordinário o acordo de coligação com os sociais-democratas e os verdes, que deverá levar à investidura de um novo Governo na próxima quarta-feira. O Partido Liberal (FDP) é o segundo dos futuros parceiros de coligação a ratificar o acordo, depois da aprovação pelo Partido Social Democrata (SPD), do chanceler designado, Olaf Scholz.

O líder dos liberais, Christian Lindner, ministro das Finanças designado, defendeu durante o congresso que o acordo de coligação assenta as bases de um Governo de centro e que não haverá qualquer “viragem à esquerda”. “O acordo descreve uma nova política no nosso país, uma política da inovação, disposta a atrever-se a mais progresso”, afirmou, assegurando que o acordo reflete um grande número de aspirações do FDP, nomeadamente a manutenção de orçamentos equilibrados e a ativação da iniciativa privada na Alemanha.

A travagem da dívida pública deve ser mantida e será mantida, porque a sustentabilidade e a justiça intergeracional não são apenas conceitos da proteção do clima, mas também das finanças públicas“, disse Lindner.

Com a aprovação do pacto pelos liberais, fica apenas a faltar conhecer o resultado da consulta às bases dos Verdes, que será apresentado na segunda-feira, o que permitiria aos partidos assinar o acordo de coligação na terça-feira.

Além do influente Ministério das Finanças, o FDP deverá ficar com a pasta dos Transportes e Digitalização, que ficará nas mãos do secretário-geral do partido, Volker Wissing, assim como com a tutela da Justiça e da Educação, que irão respetivamente para Marco Buschmann e Bettina Stark-Watzinger.

O parlamento federal alemão elegerá em 8 de dezembro para o cargo de chanceler o social-democrata Olaf Scholz, sucedendo aos 16 anos de Angela Merkel no poder. Com o apoio dos três partidos da coligação, Olaf Scholz, de 63 anos, obterá os votos de 416 dos 736 deputados do Bundestag (câmara baixa).

O processo de eleição do chanceler, terceira figura do Estado alemão, a seguir ao Presidente da República Federal e à presidente do Bundestag, obedece a normas muito específicas.

Após a sua eleição pelos deputados, o futuro chanceler é recebido pelo Presidente, que lhe entrega, bem como aos seus ministros, a sua “ata de nomeação”, assinalando o início oficial do mandato de quatro anos.

O chanceler regressa, em seguida, ao Bundestag para aí prestar juramento, antes de se dirigir à chancelaria para a transferência de poder. Será, então, o líder da coligação formada pelos social-democratas, os verdes e os liberais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Liberais alemães coligação para o governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião