Despesa da campanha reflete sondagens: IL e Chega gastam mais, Bloco e PCP menospremium

A comparação dos orçamentos da campanha eleitoral de 2019 com a de 2022 mostra uma adaptação dos partidos às sondagens da intenção de voto dos portugueses.

Os orçamentos da campanha das eleições de 30 de janeiro entregues pelos partidos refletem a evolução das sondagens de intenções de voto.A ascensão eleitoral dos partidos mais recentes como a Iniciativa Liberal e o Chega ditou um orçamento maior. Já a potencial queda eleitoral do Bloco, do PCP e do CDS levou a um forte corte nos custos da campanha. Porém, é de notar que a situação pandémica também poderá estar a influenciaras despesas dos partidos em campanha,nomeadamente a maior ou menor realização de eventos com muito público. O Chega, que segundo as sondagens poderá tornar-se o terceiro maior partido na Assembleia da República, é o partido com uma maior diferença no orçamento da campanha eleitoral. Para 2022 prevê gastar 500 mil euros, mais do que os 150 mil euros previstos em 2019

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos