Listas por Lisboa do Chega e CDS-PP violam lei da paridade, alerta Tribunal Constitucional

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2022

Os partidos tem agora dois dias para corrigirem as listas "em conformidade" com a lei da paridade.

O Tribunal Constitucional determinou esta sexta-feira que os partidos Chega, CDS-PP e Nós, Cidadãos! apresentam irregularidades relativas à lei da paridade nas listas às legislativas pelo círculo eleitoral de Lisboa, dando dois dias para corrigirem a situação.

O Constitucional determina que os mandatários das listas às legislativas têm um prazo de dois dias para “procederem à correção das respetivas listas em conformidade” com a lei da paridade, “sob pena de rejeição integral das mesmas”, refere o acórdão publicado hoje, a que a agência Lusa teve acesso.

A decisão surge na sequência de um recurso apresentado pelo partido Aliança considerando que aqueles três partidos violavam a lei da paridade.

No caso do Chega, cuja lista é encabeçada pelo líder do partido, André Ventura, não é respeitado o pressuposto de representação mínima de 40% do sexo feminino.

Em 53 candidatos do Chega por Lisboa, 21 são mulheres (39,62%), não atingindo por isso o “liminar mínimo”, constata o Constitucional, recordando outro acórdão que conclui que esse valor não permite arredondamentos para atingir o mínimo legalmente exigido.

No caso das listas do Nós, Cidadãos! e do CDS-PP, está em causa um artigo da lei da paridade que determina que não podem ser colocados mais do que dois candidatos do mesmo sexo consecutivamente.

Na lista do CDS-PP, encabeçada pelo líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, esse artigo é violado por três vezes (três nomes femininos consecutivos por duas vezes – posições 34.º, 35.º e 36.º e 57.º, 57.º e 59.º – e com quatro nomes masculinos consecutivos – do lugar 40.º até ao 43.º).

Já o Nós, Cidadãos! tem quatro nomes masculinos consecutivos na lista pelo círculo eleitoral de Lisboa.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Listas por Lisboa do Chega e CDS-PP violam lei da paridade, alerta Tribunal Constitucional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião