BRANDS' ECO Startup portuguesa torna edifícios autónomos em 96 horas

  • BRANDS' ECO
  • 27 Janeiro 2022

A Bandora Systems é uma startup portuguesa que se dedica à transformação digital e energética dos edifícios. Em apenas 96 horas, a empresa consegue tornar um edifício comum num edifício 100% autónomo.

Impulsionar edifícios comerciais a operar com eficiência, manter os espaços confortáveis, detetar e notificar anomalias são alguns dos principais objetivos da Bandora Systems, uma startup portuguesa, mais comummente conhecida como um Facility Manager Virtual, que faz a operação e manutenção dos edifícios de serviços/comerciais.

Mas as funções da startup portuguesa não se ficam por aqui. A verdade é que a Bandora, mais do que ambicionar que as cidades se tornem inteligentes, pretende que os edifícios se tornem 100% autónomos, ou seja, que não necessitem da intervenção humana para fazerem a sua gestão.

Isto porque, apesar de os edifícios estarem cada vez mais sensorizados e gerirem quantidades massivas de dados e informação, a verdade é que continuam a depender da mão humana, que serve de apoio no processamento destes dados. A acrescentar a isso, os próprios facility managers, que ajudam nessa gestão, assumem a dificuldade em conseguir operar os chamados smart buildings, e, nesse sentido, a autonomia do edifício seria a resolução do problema.

Márcia Pereira, CEO da Bandora Systems

De acordo com Márcia Pereira, CEO da Bandora Systems e engenheira mecânica, a solução passa, sobretudo, pela aposta em inteligência artificial (IA). “Novas tecnologias como a inteligência artificial poderiam ter um papel fundamental na gestão eficiente dos edifícios. A capacidade de processar grandes volumes de informação e tomar ações em tempo real, que efetivamente reduzissem o consumo energético dos edifícios, cria um novo paradigma. Foi essa a ideia que serviu de base à criação da Bandora”, começou por dizer.

"No limite, é como se tivéssemos um facility manager experiente e especialista no funcionamento de um edifício em concreto, a monitorizar, correlacionar, otimizar e a tomar decisões a cada cinco minutos, durante 24 horas por sete dias da semana, o que é humanamente impossível! Mas, com recurso à inteligência artificial, esta é agora uma realidade!”

Márcia Pereira

CEO da Bandora Systems

Como é que a Bandora atua nos edifícios?

Sendo um Facility Manager Virtual, a Bandora conecta-se com qualquer sistema IoT (Internet of Things, em português, internet das coisas) já existente no edifício e recorre à inteligência artificial para suportar a tomada de decisão do gestor, de forma a otimizar, em contínuo e em tempo real, o seu modo de funcionamento e dos seus equipamentos, como sejam o AVAC (sistemas de Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado) e a iluminação.

Além disso, a startup consegue, ainda, detetar os consumos energéticos anómalos, de forma a reduzir períodos de inatividade e dispendiosos e, consequentemente, evitar o desperdício de energia. O principal objetivo é dar o maior conforto aos ocupantes dos edifícios, mas com o menor consumo de energia possível.

“No limite, é como se tivéssemos um facility manager experiente e especialista no funcionamento de um edifício em concreto, a monitorizar, correlacionar, otimizar e a tomar decisões a cada cinco minutos, durante 24 horas por sete dias da semana, o que é humanamente impossível! Mas, com recurso à inteligência artificial, esta é agora uma realidade!”, acrescentou a CEO.

"Os edifícios Bandora já não são smart, mas sim autónomos e funcionam sem nenhuma intervenção humana.”

Márcia Pereira

CEO da Bandora Systems

Atualmente, a Bandora Systems não tem concorrência no mercado nacional, mas Márcia Pereira admitiu que existem algumas soluções que se podem confundir com as da startup, nomeadamente as que fornecem hardware e sensores para tornar o edifício smart. No entanto, a engenheira mecânica garante que “a Bandora está num plano diferente, já que é a camada de inteligência por cima de qualquer hardware, novo ou existente. Os edifícios Bandora já não são smart, mas sim autónomos e funcionam sem nenhuma intervenção humana”.

Ainda assim, a concorrência no mercado internacional existe e a responsável pela startup portuguesa assumiu que se trata de uma concorrência “com rondas de financiamento e estágios de maturidade bastante acima da Bandora”. Porém, o facto de a Bandora conseguir transformar qualquer edifício num edifício autónomo em 96 horas é uma vantagem que até mesmo essa forte concorrência não conseguiu superar, uma vez que demora seis semanas a fazer o mesmo.

“A nossa abordagem em tornar qualquer edifício num edifício autónomo em 96 horas é bastante inovadora, face às seis semanas necessárias pela concorrência. Recentemente, até fomos distinguidos com o Reconhecimento de Idoneidade para a prática de Atividades de Investigação e Desenvolvimento, pela ANI, e esta distinção comprova não só a nossa capacidade de inovação, mas também de execução, e do nosso contributo em tornar Portugal um HUB de conhecimento”, revelou Márcia Pereira.

A Bandora Systems consegue tornar um edifício autónomo em 96 horas.Bandora Systems

A pandemia enquanto impulsionadora da aposta em IA e os fundos de apoio

A necessidade de inovar ficou ainda mais notória depois do mundo se ter deparado com uma pandemia que fechou toda a gente em casa e que obrigou as empresas a assumir novas formas de trabalho e novos modelos de negócio.

Quando questionada sobre a possibilidade de as empresas que não apostem em tecnologia poderem correr o risco de perderem o seu lugar no mercado, a CEO da Bandora não hesitou em dizer que o mercado só terá lugar para as empresas com “maior capacidade de adaptação e resiliência”.

“Essas empresas serão indubitavelmente as que conseguirem apresentar-se mais competitivas, mais eficientes e mais rápidas. E, nesse sentido, a Inteligência Artificial é um elemento capacitador das empresas, pois permite substituir os recursos humanos no desempenho de tarefas repetitivas e monótonas, resolver problemas de otimização de processos, mesmo com quantidades massivas de dados e sem correlação aparente, de uma forma mais rápida e eficaz, e permite também tirar o máximo partido dos atuais sistemas de IoT”, salientou.

Mas, se, por um lado, as empresas sentem-se pressionadas a fazer esta mudança para garantirem a sua sobrevivência, por outro lado, ainda se observa alguma resistência por parte de algumas empresas que associam que será necessário um grande gasto financeiro para fazer esta aposta em IA e sentem que não têm capital para isso.

Por essa razão, Márcia Pereira garantiu que a divulgação dos fundos de apoio que ajudam financeiramente estas empresas “é fundamental”. Nesse âmbito, a Bandora estabeleceu uma parceria. “Estamos a trabalhar num grande consórcio nacional, com empresas de relevo e entidades do nosso tecido científico, para a descarbonização do segmento residencial. Estamos a falar de um investimento aproximado de 2,3 milhões de euros para a Bandora, que será inteiramente utilizado em recursos humanos especializados”, contou.

Além deste consórcio, a Bandora também tem tido iniciativas que visam tornar a inteligência artificial uma realidade mais acessível para qualquer empresa. Umas das iniciativas está relacionada com a subscrição anual da startup, sem quaisquer custos de arranque, customização ou outros.

“O valor da subscrição é diretamente indexado ao tamanho do edifício, através de 4 níveis: Shop, Office, Building e Campus. Desta forma, as empresas têm acesso à nossa tecnologia através de custos operacionais bastante competitivos e adaptados às suas necessidades”, disse a CEO.

A somar a isso, a Bandora está também a trabalhar numa ronda de investimento seed (primeira fase de investimento) com o intuito de desenvolver mais funcionalidades dentro da empresa, criar um departamento Comercial e de Marketing totalmente dedicados e trabalhar na sua expansão Europeia. “O objetivo é sermos mais e melhores para os nossos clientes”, concluiu Márcia Pereira.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Startup portuguesa torna edifícios autónomos em 96 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião