Espanha: desce a fatura de eletricidade, sobem combustíveis

  • Servimedia
  • 18 Junho 2022

O Fundo para a Sustentabilidade do Sistema Elétrico em Espanha vai baixar as faturas de eletricidade, mas os combustíveis e o gás natural vão ficar mais caros.

O Fundo para a Sustentabilidade do Sistema Elétrico (Fnsse), aprovado pelo Conselho de Ministros e agora em processamento no Congresso dos Deputados, pode levar a uma redução das contas de eletricidade, mas também a um aumento do preço das principais utilizações de energia não elétrica em Espanha, como combustíveis e gás, noticia a Servimedia.

Uma análise do impacto nos consumidores realizada pela Sedigas conclui que a medida afetaria principalmente as áreas mais despovoadas e os consumidores mais vulneráveis. Além disso, a Aliança para a Competitividade da Indústria Espanhola alertou para o impacto negativo na indústria nacional se o projeto de lei não for alterado.

Esta reforma pode baixar o preço da eletricidade, mas vai gerar um aumento nas contas de combustível e gás natural, tanto para os cidadãos como para as empresas. Assim sendo, de acordo com estas análises, a Fnsse atuaria como um novo imposto sobre combustíveis e gás natural, o que implica uma transferência de rendimentos dos consumidores de eletricidade para cidadãos, agricultores, taxistas e outros que utilizem combustíveis ou gás natural na sua produção.

O fundo beneficiaria os consumidores domésticos de eletricidade e prejudicaria os consumidores de gás e todos os consumidores de gasóleo e gasolina, já que o custo seria de cerca de 7,5 cêntimos de euro por litro de combustível. Se assim fosse, a análise considera que seria contraditório o governo estar a preparar uma extensão do desconto de 20 cêntimos por litro de combustível porque ao mesmo tempo cobraria gasolina com um extra de 7 cêntimos de “imposto”.

Clientes de zonas mais frias vão “pagar a conta”

A Sedigas revela, ainda, que a aplicação do Fnsse também vai criar desigualdade territorial. Alguns partidos e territórios denunciam que a nova lei vai significar uma transferência de rendimentos das comunidades e províncias do interior de Espanha para as zonas costeiras e para as ilhas. Isto porque os clientes das zonas mais frias vão acabar por “pagar a conta”, já que têm um maior consumo de gás e combustível, que são as energias que irão aumentar de preço.

Num dos seus últimos relatórios, o Institute for Energy Diversification and Saving (IDAE), que depende do Ministério da Transição Ecológica e que participou no processo de elaboração desta reforma, comparou o consumo de gás no país, tomando como principais zonas o Atlântico-Norte, o Mediterrâneo e o continente. Os dados concluem que o consumo médio de gás na faixa cantábrica é de 7,143 kWh em média por agregado familiar, no interior de Espanha atinge 10,511 kWh por agregado familiar e no Mediterrâneo e nas ilhas é de 6,233 kWh.

As províncias do interior, as mais frias, consomem em média 68% mais gás do que as da costa e das ilhas. Com base nestes dados, o Fundo Nacional para a Sustentabilidade do Sistema Elétrico, que, segundo Teresa Ribera, Ministra da Transição Ecológica, “permitirá uma redução de pelo menos 13% nas contas de eletricidade para os consumidores de eletricidade”, poderá penalizar as áreas que mais consomem gás e combustíveis.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Espanha: desce a fatura de eletricidade, sobem combustíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião