Fundo soberano de Singapura já é o 9.º maior investidor do PSI

Com posições no capital da EDP e da EDP Renováveis, o fundo de Singapura tornou-se num dos maiores investidores do PSI e colocou os fundos soberanos entre os maiores acionistas da Bolsa de Lisboa.

Lim Chow Kiat
Lim Chow Kiat, CEO do GIC Private Limited, lidera o fundo soberano de Singapura que gere cerca de 700 mil milhões de euros em 40 países, o último a entrar na lista foi justamente Portugal.@GIC 2022

Através de duas operações no espaço de uma semana, o GIC Private Limited (GIC) tornou-se num dos maiores investidores da Euronext Lisboa. De acordo com cálculos do ECO, o fundo soberano de Singapura conta atualmente com posições avaliadas em mais de 1,3 mil milhões de euros que o tornam no nono maior investidor do PSI, à frente dos chineses da Fosun.

O investimento de mil milhões de euros no capital da EDP Renováveis e a participação no aumento de capital da EDP fazem do fundo liderado por Lim Chow Kiat, através da sua afiliada Lisson Grove Investment, um importante player da praça financeira portuguesa, que além de agregar participações no binómio EDP assume, de forma indireta, uma posição no BCP (através de uma posição de 2,06% da EDP no grupo financeiro).

A entrada de rompante do fundo soberano de Singapura no PSI foi construída da seguinte forma:

  • O aumento de capital da EDP Renováveis no valor de mil milhões de euros gerou a emissão de 50,97 milhões de novas ações, que foram subscritos na quase totalidade pelo GIC e admitidas à negociação a 7 de março. Esta operação gerou um aumento de 5,3% do número de ações da empresa, que atualmente cifra-se em mais de 1 milhão de títulos em negociação, conduzindo o fundo soberano de Singapura a uma posição de 4,3% na maior empresa do PSI. Por oposição, todos os outros acionistas EDP Renováveis viram as suas posições dilatadas na mesma proporção do aumento das ações, inclusive o seu maior acionista, a EDP, que passou a deter 71,2% do capital da empresa em vez dos anteriores 74,98%.
  • No caso do aumento do capital da EDP de também mil milhões de euros, que gerou a emissão de 218,34 milhões de novas ações, 600 milhões de euros foram tomados de forma mais ou menos equitativa por três acionistas selecionados (o já acionista China Three Gorges, o GIC e uma afiliada do fundo soberano Abu Dhabi Investment Authority). Desta forma, o fundo soberano de Singapura juntamente com o fundo soberano Abu Dhabi Investment Authority passam a deter uma posição ligeiramente acima de 1% na elétrica nacional e os chineses da China Three Gorges baixam a sua posição de 21,08% para 20,9%. Todos os restantes acionistas vêm a sua posição dilatar-se na proporção do aumento de capital (5,5%).

Fonte: Refinitiv. Posições diretas e indiretas em empresas do índice PSI. Não se considerou as posições da Blackrock por serem feitas através de fundos de investimento. Valores calculados com base na capitalização bolsista de 8 de março de 2023.

Peso dos fundos soberanos na Bolsa nacional

Há muito que a praça financeira está no radar dos fundos soberanos. Atualmente contam-se cinco destes fundos com posições diretas e indiretas nas 15 empresas do PSI, que agregam investimentos avaliados em mais de 3,8 mil milhões de euros.

Se os fundos soberanos fossem uma só entidade, seriam o terceiro maior acionista da praça portuguesa, logo depois dos chineses da China Three Gorges (maior acionista da EDP EDP 0,14% ) e da família Soares dos Santos, dona de 56% do capital da Jerónimo Martins JMT 0,36% .

O fundo soberano de Singapura é o maior, agregando 35% da exposição de todos os fundos soberanos na praça portuguesa. Porém, aquele com maior influência no PSI é o fundo soberano da Noruega, que detém posições diretas em todas as 15 empresas do principal índice acionista da Euronext Lisboa.

O Norges Bank Investment Management (NBIM), que gera as receitas da exploração do petróleo e dos recursos naturais da Noruega, tem investido em Portugal quase 950 milhões de euros, que se estende a quase 1,3 mil milhões de euros considerando as posições indiretas.

A maior posição do NBIM é a participação de 2,3% na EDP, avaliada atualmente em cerca de 439 milhões de euros, seguida de uma posição de 1% na Jerónimo Martins (126 milhões de euros) e de 0,5% na EDP Renováveis EDPR 0,04% (106 milhões de euros). O fundo soberano da Noruega detém ainda uma outra posição qualificada entre as empresas do PSI – é dono de 3,5% do capital dos CTT CTT 0,00% – e todos os restantes investimentos são garantidos com posições abaixo da fasquia dos 2%.

O pódio fica completo com o fundo soberano do Catar, o Qatar Investment Authority, que através de uma participação de 2,15% na EDP detém uma exposição ao mercado nacional de 717 milhões de euros.

A presença dos fundos soberanos em Lisboa fica completa com dois fundos dos Emirados Árabes Unidos: o Abu Dhabi Investment Authority, que passou a controlar 1,0% da EDP, e o Mubadala Investment Company, que é dono de 5% da NOS NOS 0,00% .

Fonte: Refinitiv. Posições diretas e indiretas em empresas do índice PSI. Valores calculados com base na capitalização bolsista de 8 de março de 2023.

(Texto atualizado às 18h16 com comunicado da EDP Renováveis ao mercado sobre a posição do GIC na estrutura acionista da empresa)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fundo soberano de Singapura já é o 9.º maior investidor do PSI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião