“Concorrência devia olhar para utilização dos fundos pelos clusters”premium

Mais de 40% dos fundos vão para as mesmas duas mil empresas. "É preciso garantir que estas não estão a apropriar-se de um conjunto de fundos públicos", defende o economista.

O relatório "Avaliação dos incentivos financeiros às empresas em Portugal: QREN e PT2020", conclui que mais de 40% dos fundos do QREN e PT2020 vão para as mesmas duas mil empresas. Para o autor, o economista Fernando Alexandre, é preciso garantir que essa alocação não está a colocar entraves à livre concorrência. O professor de economia da Universidade do Minho, que foi secretário de Estado Adjunto do ministro da Administração Interna no governo de Passos Coelho, considera também que "o que vai mudar a economia portuguesa são as novas empresas que ainda não existem ou que estão agora no mercado, com ideias novas, e que querem crescer e não têm condições."O estudo mostra que há uma concentração dos fundos do FEDER num número reduzido de empresas. Isso deve ser motivo de preocupação?

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos