A história da vacina que não devia ser da AstraZenecapremium

Uma vacina que tinha tudo para correr bem e que tinha tudo para ser produzida e comercializada pela Merck acaba por passar para a AstraZeneca, hoje a mais contestada farmacêutica da Europa.

A vacina contra a covid-19 desenvolvida em Oxford tinha tudo para ser a primeira. Tinha tudo para correr bem. E tinha tudo para ser produzida e comercializada… pela Merck. Mas um conjunto de coincidências, divergências e pressões políticas acabou por colocar essa vacina nas mãos daquela que é, atualmente, a farmacêutica mais contestada e vilipendiada da Europa. É difícil imaginar como um fabricante de vacinas pudesse ter pior reputação do que a AstraZeneca (AZ) tem neste momento na União Europeia -- é incapaz de cumprir contratos, está a atrasar a vacinação da UE, e têm-se levantado dúvidas sobre a segurança e eficácia de uma vacina que milhões de cidadãos se recusam a receber. A suspensão unilateral da administração desta vacina por quase 20 estados da UE, esta semana, à margem das

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos