Dos 0% aos 3% em nove meses? Fed combate inflação sem medo da recessãopremium

A Fed não arrisca perder tempo no combate à inflação. Anuncia hoje a maior subida de juros em 20 anos e deve repetir a dose em junho. O cenário de recessão, para já, não assusta.

Foi em novembro do ano passado que o presidente da Reserva Federal (Fed) “deitou a toalha ao chão”, reconhecendo que já não era apropriado classificar a subida da inflação como transitória. Foi o momento de inversão no discurso do banco central, que já na altura era acusado de estar atrás da curva na sua política monetária, levando o mercado a estimar a primeira alta de juros na reunião de maio, seguida de mais uma ou duas subidas até ao final do ano. Seis meses depois as perspetivas são bem diferentes. A primeira subida de juros já aconteceu (25 pontos base em março) e agora chegou o tempo das super-subidas. É quase certo que a Fed vai anunciar esta quarta-feira um agravamento de 50 pontos base na taxa de referência(para entre 0,75% e 1%). Trata-se do aumento mais acentuado desde 2000,

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos