• Especial por:
  • Nazaré da Costa Cabral

O Serviço Nacional de Saúde no seu labirinto. Breve contributo para a discussãopremium

Nazaré da Costa Cabral defende mudanças no financiamento do SNS, por exemplo a criação de um seguro social, a reconfiguração do sistema e aponta os problemas estruturais por resolver.

I– SNS, gestão do risco e modelos de financiamento Recentemente, o Conselho das Finanças Públicas (CFP) publicou um Relatório intitulado “Evolução do Desempenho do Serviço Nacional de Saúde, SNS, em 2021”, de onde resulta a identificação de alguns dos seus principais riscos. Um deles prende-se com o modelo de financiamento do SNS. Como é explicado no Relatório, tal financiamento assenta essencialmente nas receitas gerais provenientes do Orçamento do Estado, com um contributo crescente, sempre superior a 90% ao longo do período em análise (2014-2021). Pelo contrário, o peso de outras receitas, como é o caso das taxas moderadoras, diminuiu consideravelmente ao longo deste tempo. Nunca se discutiu esta questão do financiamento do SNS entre nós, desde logo a eventual diversificação das suas

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos
  • Nazaré da Costa Cabral
  • Colunista convidada. Presidente do Conselho das Finanças Públicas