“O vinho é uma vida bonita”

Baixou à terra Fernando Guedes (1930/2018). Foi setembro a vida inteira e levou o vinho português mais longe do que ninguém. Apegado a valores que ficam, ganhou o futuro.

Há homens que deixam rasto. Sulcam a terra e as gentes, semeando-lhes riquezas. São poucos, muito poucos. Esta semana morreu um desses homens. Português, empresário visionário, âncora nos vinhos e coração na Sogrape. “Devo o que fui à Sogrape, uma empresa que o meu pai fundou e que eu continuei”. Na verdade foi bem além, ao sucesso herdado acrescentou as bases para se transformar numa das principais multinacionais portuguesas. Mais do que uma empresa, a Sogrape é a sua casa. De certa forma, mais um filho. Mas já lá vamos.

Na quinta-feira, o Douro desceu, o Alentejo subiu, Dão, Gaia e Avintes cruzaram o rio. Diferentes geografias no mesmo luto, homens e mulheres no último adeus a Fernando Guedes. Uma multidão na Igreja do Foco, no Porto. Em cada rosto, uma história de Fernando. Lá à frente, os netos, os três filhos – Salvador, Manuel e Fernando. Também a mulher, Mafalda Guedes. Sessenta anos de casamento festejados em dezembro, tão-longe os dias da lua-de-mel, os dois a banhos nas águas de um Algarve gelado. Sessenta anos a par e passo, eles e a empresa. Tanto que ela, alfacinha de gema, ganhou o costume de, todas as noites, encomendar família e Sogrape a Deus. Mais distantes ainda, os tempos de namoro por carta, ela em Lisboa e ele em Dijon, a cumprir estudos. Em época de “cheiristas”, ter formação em enologia era feito raro, foi o terceiro português a sair da afamada escola.

Fernando conhecia a Sogrape como se conhece um filho, qualidades e fragilidades, sempre aquele desejo de mais e melhor. Até ao fim, visitou quintas e adegas. Pouco o entusiasmava mais do que descer à sala-de-provas, à hora a que os enólogos provam o vinho. Cheirava, opinava.

Ana Sofia Fonseca, Jornalista

Daqui a pouco mais de um mês, é certo que Mafalda e Fernando rumariam à Quinta de Azevedo. As férias são sempre lá, no solar a que Fernando se entregou. Cuidou de cada pormenor da reconstrução, de cada detalhe da quinta. Gostava de ali estar, caminhar pelas vinhas, perscrutar a adega e respirar o ar dos vinhos verdes. Lembravam-lhe a casa que o viu nascer, a Quinta da Aveleda, naquele final de 1930. Veio ao mundo antes de tempo, contava que a mãe se assustara “com um ratito”. Uns 11 anos passados, com um punhado de sócios, o pai haveria de fundar a Sogrape. Depois, de inventar o Mateus Rosé. “O vinho primeiro”, dizia o filho, com orgulho. Seguiram-se outros, muitos outros, a empresa a fazer fé no slogan “do Mateus ao Barca Velha”.

Mas, antes das férias de agosto, Fernando haveria de continuar a ir todas as manhãs ao piso da administração, em Gaia, na sede da Ferreira. Tinha por lá o seu gabinete, chão alcatifado e secretária. Nunca teve computador, só papéis meticulosamente arrumados. Um telefone, um calendário, uma lupa e a mulher a sorrir na moldura. Há pouco mais de uma semana, continuava a chegar de manhã cedo, a arrumar a pasta atrás da cadeira. Sabia o nome de cada funcionário, as alegrias e as dores de muitos. Mal o via, a assistente trazia-lhe os resultados das vendas do dia anterior. A empresa fatura mais de 215 milhões por ano, soma operações em três continentes, e ele atentava em cada número. “Já não mando nada”, lamentava-se, volta e meia, diante dos novos caminhos. Passados segundos, retocava o pensamento: “Isto agora é tudo diferente… há que deixar os novos”. E os novos ouviam-lhe as queixas e as recomendações.

Fernando conhecia a Sogrape como se conhece um filho, qualidades e fragilidades, sempre aquele desejo de mais e melhor. Até ao fim, visitou quintas e adegas. Pouco o entusiasmava mais do que descer à sala-de-provas, à hora a que os enólogos provam o vinho. Cheirava, opinava. Conhecia cada palmo das propriedades – Portugal, Argentina, Chile, Espanha. Só nunca pisou a Nova Zelândia. Sabia o lugar exato de cada tomada, de cada pipa. Ninguém se admirava de o ver condenar um quadro torto ou uma lâmpada fundida. Foi assim a vida inteira. Há uns anos, mal o viam à porta da adega, os funcionários estremeciam – era certo que o patrão encontraria algum desalinho.

Austeridade era valor de vida, não regra de trabalho. Em casa, os filhos provavam da mesma cartilha. Homem de pés na terra, nunca foi de esbanjar nem de aplaudir luxos. Um frango assado ou um bife com batatas fritas faziam as suas delícias. Ainda há pouco mais de dois anos, na tarde do seu 85º aniversário, era vê-lo na cozinha de Azevedo a provar o assado. Pouco antes, ele e a mulher entretinham o dia à lareira. O telemóvel sem sossego e ele a desentender-se com as teclas. Ela a mostrar-lhe os truques da tecnologia, os dois no despique que só o melhor dos entendimentos conhece. A chama alta e a vida em revista, os filhos, a juventude, as alegrias que dão sentido à saudade. Os amigos, a caça. “Que saudade do tempo das caçadas”, atirou então Mafalda. E Fernando, naquele seu sentido de humor que sempre desconcertava a austeridade: “Olha, a melhor coisa que cacei de jeito foi a ti”. Os dois numa gargalhada cúmplice.

Há coisas que de que já me esqueci… Pertencem a um passado que já não é meu, é dos novos. Tive uma vida bonita. O vinho é uma vida bonita.

Fernando Guedes (1930/2018)

A igreja não tem lugar livre, somam-se almas em pé. Família, funcionários, amigos. Fez seu o lema do pai: “Antes de fazer um negócio, faz um amigo”. Lá está Zé, o motorista. Desde os anos 80 que a sua vida é guiar o “Senhor Fernando Guedes”. Quantas madrugadas os dois a partirem para a adega de Vila Real ou para o Douro? Era o próprio Fernando quem preparava a merenda para a viagem, uma sandes para cada um. Saíam às quatro ou às cinco da manhã para chegar a tempo. Nunca foi homem de atrasos, sempre preferiu aparecer antes da hora marcada. Levava o gosto tão a peito que, normalmente, chegava às adegas ainda antes de abrirem portas.

Este inverno, a cruzar o novo túnel do Marão, recordou estas histórias. Estava encantado com o túnel, quanto o futuro suavizava a vida. Pensar que o pai correra o Douro de burro… Gostava também de recordar as peripécias da construção da adega de Vila Real. A mesma que, nessa noite, se vestia de festa para celebrar o lançamento do último Legado, o vinho que os filhos fizeram em homenagem ao pai. O maior legado é uma mão-cheia de valores, o exemplo de que ser empresário de sucesso pode rimar com respeito. Nessa noite, à roda da mesa, haveria de encantar, o discurso povoado de memórias e modos de cavalheiro. Combinaria uma ida a Azevedo na próxima vindima. Era na adega ou na terra, por entre cepas, que se sentia vivo. O fervor dos cachos enternecia-lhe o olhar como as tropelias dos bisnetos [Nota de redação: Ana Sofia Fonseca é a autora do filme “setembro a Vida Inteira”, em que é entrevistado Fernando Guedes].

Está calor na igreja, ouvem-se leques de senhora. Choveu granizo no Dão. Já há cachos promissores no Douro e no Alentejo. Foi há meses, a vindima no Chile e na Argentina. Em cada rosto desta igreja há uma colheita de Fernando. Estava frio em Azevedo, naquele dia em que caminhou pelo jardim como se adivinhasse o começo deste verão: “Há coisas que de que já me esqueci… Pertencem a um passado que já não é meu, é dos novos”. Dois passos e um sorriso: “Tive uma vida bonita. O vinho é uma vida bonita”.

  • Nelson Garrido/Público (foto)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“O vinho é uma vida bonita”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião