καλωσόρισμα Grécia, Portugal saúda-vos

Afrodite aceita posar para a Playboy e Hércules teve de suspender os seus 12 trabalhos por falta de pagamento. O que nós e os gregos aprendemos com a crise grega, oito anos após o resgate?

3.000 dias, três resgates e 300 mil milhões depois a Grécia sai do resgate. Uma recessão que, lembrava a revista The Economist, durou mais do que a Grande Depressão nos EUA.

Tudo começou com uma farsa. Durante anos o Governo grego, ajudado pelo Goldman Sachs, martelou e falsificou as as contas públicas. Foi em 2010 que se percebeu que o défice público era de 12,5%, mais do dobro do valor anunciado. Espevitado pelas taxas de juros baixas oferecidas pelo euro, o modelo económico sobre o qual assentava a economia grega era baseado no endividamento público e privado, em gastos públicos excessivos, em salários que ultrapassavam em muito a produtividade, numa máquina do Estado burocrática e numa justiça corrupta. A evasão fiscal era um ponto de honra e considerada pelos gregos como “defesa legítima contra os impostos elevados”, necessários para alimentar um Estado pesado e ineficiente. Até as piscinas eram taxadas.

Em 2010, um estudo realizado pelo fisco grego concluiu que apenas 327 casas em Atenas declararam ter piscina. Usando imagens do Google Earth, o Governo constatou que, apenas nos subúrbios ricos da capital, o número total de piscinas chegava às 17 mil.

Da farsa passámos ao drama. A crise financeira apanhou a economia grega desprevenida e atirou Atenas para uma brutal recessão, tendo o país perdido 25% da sua riqueza. Um quinto da população e metade dos jovens foram atirados para o desemprego. Os pensionistas (com seis cortes nas pensões e mais um esperado para 2019) e os funcionários públicos também foram chamados a pagar por uma crise que foi tão intensa que abalou os alicerces do projeto europeu.

A Europa ameaçou desmoronar e, tal como um castelo de cartas, caiu a Grécia, afundou a Irlanda, ruiu Portugal, tremeu a Espanha, colapsou o Chipre e tremelicou a Itália. A Europa foi confrontada com a ausência de Europa. A união monetária era um projeto contabilístico, não existia fundo de resgate (apenas empréstimos bilaterais) e a união bancária era somente um conceito teórico. O que nos valeu foi que, no dia 26 de julho de 2012, Mário Draghi acordou bem disposto e disse uma frase que mudaria para sempre o destino do Velho Continente: “Dentro do nosso mandato, o BCE está pronto a fazer tudo o que for preciso para preservar o euro. E, acreditem em mim, será suficiente”. E foi suficiente.

Do drama chegámos à comédia. Três anos depois, a crise varreu os socialistas do mapa político grego e a Nova Democracia, partido de centro-direita que sofreu a sua pior derrota nas eleições de 2012, após defender o programa da troika, curiosamente, volta hoje a liderar as sondagens. Chegou ao poder o Syriza, uma espécie de Bloco de Esquerda grego, e emergiu Yanis Varoufakis com o seu discurso marxista e o seu cachecol de luxo da Burberrys. Uma mistura de pop star, ministro das Finanças, professor universitário, intelectual, motoqueiro e trolha grego que quis desafiar o status quo e, por muito pouco, não levou o país à bancarrota (para além da bancarrota em que já se encontrava).

Chegados aqui, depois de três resgates, o que aprendemos com a crise grega?

Aprendemos que os gregos têm algum sentido de humor e que tiveram de mudar de vida: Afrodite aceitou posar para a Playboy, Aquiles teve de ir a um hospital público tratar do seu calcanhar, Hércules suspendeu os 12 trabalhos por falta de pagamento e a caverna de Platão passou a abrigar os milhares de sem-abrigo sem uma casa para morar.

Mais importante, aprendemos que a Europa não estava preparada para uma crise com aquelas dimensões e que agora, felizmente, está mais bem apetrechada (faltando ainda completar a União Bancária e institucionalizar o Fundo Monetário Europeu). Também aprendemos que a bravata política e a fanfarronice ideológica esbarram sempre na realidade e que o populismo e a promessas fáceis nem sempre são proporcionais ao número de zeros da nossa conta bancária.

Aprendemos que a dívida cria valor quando o capital é mais caro (como dizia Modigliani), mas em excesso é letal. Um país que tem uma dívida pública de 180% é simplesmente obsceno. A Grécia comprometeu-se com Mário Centeno e com os outros ministros do Eurogrupo a gerar, até 2022, excedentes primários de 3,5% do PIB e de 2,2% até 2060, altura em que termina a vigilância reforçada de Bruxelas. É uma tarefa hercúlea, dificilmente atingível, mas que coloca os gregos no caminho certo no sentido de tentar pagar o que devem aos credores oficiais.

Aprendemos que sem solidariedade a Europa não existe. Além dos haircut de 100 mil milhões de euros que impôs aos privados em 2012, a Grécia conseguiu uma reestruturação da dívida à troika que atira a maturidade para as calendas gregas e corta juros para níveis decentes. Por causa desta solidariedade é que a Grécia conseguiu uma almofada de 20 mil milhões de euros e que lhe permite estar fora do mercado até meados de 2020.

Agora, cabe à Grécia tentar caminhar com os próprios pés, pôr-se a salvo de qualquer contágio turco, tentar regressar aos mercados em 2019 (arriscando emissões não sindicadas) e mostrar que o moral hazard é um receio infundado dos credores. καλωσόρισμα [bem-vindos] Grécia, Portugal saúda-vos.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

καλωσόρισμα Grécia, Portugal saúda-vos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião