2017: o regresso do resgate? (I)

Portugal está mais perto de um resgate, como sucedeu em 2011? Portugal está agora numa posição francamente melhor do que há seis anos, mas não está de todo livre de um igual destino.

Depois da emissão de dívida da semana passada onde ficou patente que a subida de juros do mercado secundário se refletiu num aumento dos custos de financiamento do Estado, não faltou também quem dissesse que tal significava que Portugal estava caminhar para uma situação parecida com 2010 ou 2011, ou seja pouco antes do pedido de resgate.

Neste artigo, tento fazer uma comparação muito breve e de certo modo simplista, tendo em conta apenas as principais variáveis: crescimento, défice e dívida pública, ratings e as taxas de juro de mercado e spreads face à Alemanha. Em artigos futuros, irei complementar a análise não só destas variáveis, mas também incluir outras como o endividamento externo, política monetária e ambiente externo em geral.

Tendo em conta apenas as perspetivas atuais para o crescimento e finanças públicas, e sem querer estragar a surpresa de quem for ler todo o artigo, a conclusão que Portugal está agora numa posição francamente melhor do que há seis anos. No entanto, não está de todo livre de um igual destino.

As perspetivas de crescimento e para o défice são melhores, e claro, as taxas de juro partem de um nível mais baixo, ainda que o diferencial face à Alemanha seja superior. No entanto, o stock de dívida é bastante maior, teima em não baixar, pelo que o impacto de uma subida dos juros será também ainda mais difícil de gerir do que em 2011.

*estimativa: 2011 (PEC IV) e 2017 (OE) **verificado Fonte: PEC IV, OE 2017 e BCE
*estimativa: 2011 (PEC IV) e 2017 (OE)
**verificado
Fonte: PEC IV, OE 2017 e BCE

 

Começando pelo crescimento. No início de 2011, já era praticamente consensual que Portugal iria passar por uma recessão, no entanto as estimativas do governo inscritas no famoso PEC IV – que apontavam para uma queda de 0.9% acabaram por ser largamente ultrapassadas pela realidade -, o PIB caiu 1.8%, mas mesmo assim um pouco menos do que a troika previu aquando da assinatura do memorando.

Claro que em 2012 a situação continuou a deteriora-se. O PEC IV previa um crescimento de 0,3%, depois da assinatura do memorando a Troika previa uma queda de 1.8% e a realidade, como todos sabemos foi bem pior, com uma contração de 4%, a que se seguiu uma nova contração superior a 1% em 2013. Atualmente, embora as perspetivas não sejam fantásticas – o crescimento potencial teima em ser baixo, mesmo as estimativas mais conservadoras apontam para um crescimento acima de 1% nos próximos anos.

As melhores perspetivas estão não só relacionadas com o (reduzido) impacto das reformas estruturais, mas também com uma menor necessidade de consolidação orçamental. O défice do Estado é agora bem menor do que em 2011. Na altura, o défice era estimado que tivesse ficado nos 5% do PIB e baixasse para os 3% em… 2012! Como sabemos, a realidade foi pior. Não só o ponto de partida de 2011 foi ainda pior como a redução foi bastante mais lenta, e apenas se tenha chegado aos 3% (sem “one offs”) em 2015.

Já quanto à dívida, a comparação entre 2011 e a atualidade, bastante menos simpática. Em 2011, o governo estimava então que a dívida pública atingisse os 88% do PIB, começando depois a descer logo em 2013. No entanto, acabou por ser revista em alta ainda em 2011 para 111% do PIB, depois da inclusão da dívida da maioria das empresas públicas, tendo subido praticamente ininterruptamente desde então, fruto da lenta redução do défice, da forte recessão no período do ajustamento e do tépido crescimento dos últimos anos.

Atualmente, a dívida está por volta dos 130% do PIB, esperando o governo que desça residualmente já este ano – algo (no mínimo) bastante improvável…

No entanto, numa nota menos negativa, embora o stock seja agora bastante mais elevado e mesmo tendo em conta toda a incerteza quanto ao sistema financeiro, existe agora menos desconfiança quanto ao “verdadeiro” valor da dívida do que há seis anos já que uma grande parte da dívida de empresas públicas foi incluída nas contas das administrações públicas e não subsistem já grandes surpresas quanto às Parcerias Público-Privadas.

Quanto ao acesso a mercado, que se pode medir pela evolução dos ratings e das taxas de juro, a comparação é ainda menos simpática para a situação atual:

  • Começando pelos ratings: em 2011, Portugal tinha ainda um rating de “investment grade”, mas a tendência era claramente negativa, com sucessivos “downgrades” e o acesso a mercado a tornar-se cada vez mais difícil. Atualmente, apesar de os ratings estarem estáveis há mais de 2 anos (depois de terem até recuperado até 2015), Portugal está abaixo de “investment grade” pelas três maiores agências e está perto de perder acesso ao programa de compras do BCE caso a (famosa) última agência que mantém Portugal acima da linha de água altere o seu rating.
  • Quanto às taxas de juro de mercado, a comparação com há seis anos é melhor, mas apenas quando se compara a taxa de juro absoluta. Em 2010, a taxa de juro média a 10 anos andou nos 5.4%, disparando para mais de 10% em 2011. Em 2016, apesar do aumento gradual, a taxa de juro a 10 anos andou em média pelos 3.2%. Nos primeiros dias deste ano, já passou os 4%, embora tenha descido nos últimos dias, emissão da semana passada já refletiu este aumento.
  • Mas tão ou mais importante do que acompanhar a evolução do nível das taxas de juro, é mesmo acompanhar a evolução da medida de perceção de risco — o spread face às taxas alemãs. E aqui, a comparação face a 2010 e 2011, já é mais preocupante. Atualmente, o spread anda por volta dos 350 pontos base. O ano passado, a média foi de cerca de 310 pontos, bastante menos do que em 2011 (760 pontos), mas já acima dos 260 pontos de 2010. Ou seja, ainda que o programa de compras do BCE esteja de certa forma a distorcer o mercado de dívida pública da área do euro, a perceção de risco por parte dos investidores é agora maior do que em 2010 – mesmo com um défice bastante menor e com perspetivas de crescimento mais animadoras.
    Este aumento do spread sinaliza uma mensagem bastante clara do mercado de dívida pública: embora o défice seja agora bastante mais baixo e não se anteveja uma recessão, o elevado stock de dívida é cada vez mais difícil de gerir, sem uma aceleração do crescimento e sem uma continuação do ajustamento que se iniciou com o programa de ajustamento.

Em suma, Portugal está ainda relativamente longe de perder o acesso ao mercado e as variáveis de “fluxo” (crescimento e défice) melhoraram. No entanto, a variável de stock (dívida) piorou, pelo que a sensibilidade a um aumento das taxas de juro de mercado será também maior. Muito provavelmente, 2017 não será como 2011, mas a distância, medida por estas variáveis, não é assim tão grande.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

2017: o regresso do resgate? (I)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião