A continha, por favor

No meu coração ficaram as Gili. Era para lá que eu me mudava. Três ilhas onde se pode viver a pé e ser feliz por meia dúzia de mil rupias.

Eis-nos finalmente chegados àquele momento em que eu faço um balanço genérico da viagem, para grande felicidade dos leitores de contra-capa e dos que começam pela última página para confirmar quem foi o culpado. Estão preparados? Cá vai. A Comida!

A comida assassinou-nos o orçamento. Não que comer seja caro nestas ásias, mas decidimos refinar as azias. Na Malásia, por exemplo, não há uma rua que dê tempo à digestão, há restaurantes, barraquinhas e vendedores ambulantes, porta sim, porta não.

É isso que se passa em Concubine Lane, aqui em Ipoh, a antiga rua do desfrute. As concubinas do passado, foram substituídas por comezainas do presente. O prazer ainda mora ao lado e é difícil dar um passo, sem que alguém nos tente com uma iguariazinha. Há tostas de queijo arco-íris, nougats, bebidas fluorescentes, pastéis de nata com sabor a durian, entre outros pecados e fantasias.

Ipoh é uma cidade cenário, adormecida entre incríveis montanhas. Tem um bairro colonial muito parecido ao de George Town: ali então os cafés trendy, aqui os restaurantes Baba e Nyonia (descendentes dos chineses) e por todo o lado grafites interativos a pedir fotografias. Se há sítio para pensar no passado, é aqui neste café pintado.

Malásia. Como eu adorei a Malásia. A Malásia é a personificação, digo, país fixação da expressão, “vai tudo correr bem”. Na verdade, correr é exagero, que nós fizemos tudo bem devagar. “Tudo andou bem”. Desde a futurística e molhada Kuala Lumpur, à tão pitoresca Malaca, passando pela versátil ilha de Penang e pelas nostálgicas e fresquinhas Cameron Highlands. Ficaram por explorar as muitas ilhas paradisíacas e o Bornéu. Diz que a Malásia tem a maior rotunda do mundo, por isso convém deixar desculpas para voltar.

Mas para ver rotundas a valer há que ir a Bali. Mais hindu que indonésia, não é preciso chegar ao templo para ver as cenas mais épicó-espirituais, Bali, oferece a melhor decoração e estatuária, ali mesmo ao pé da estrada. O que faz sentido, já que é ao volante que estes fiéis passam grande parte da sua vida terrena.

Cheguei tarde a Bali, chegámos todos. Bali era bom quando havia mais fé que Wi-Fi. Ainda assim, Ubud fica no coração do viajante, espiritual e verdejante. Como ficam todas as aldeias, arrozais, vulcões e rituais. O problema é que os sítios são as pessoas e Bali sofre de turistismo agudo!

A minha sugestão era que os locais mudassem de ilha e levassem aquela beleza que é só deles para Lombok. Lombok, selvagem e tropical, com belas praias limpinhas e muito terreno para encher de bênçãos.

No meu coração ficaram as Gili. Era para lá que eu me mudava. Três ilhas onde se pode viver a pé e ser feliz por meia dúzia de mil rupias. A cada minuto que passa, esta frase vai-se tornando mentira, por isso apressem-se para ainda encontrarem este paraíso como eu o deixei, belo e desarrumado, entre corais embalado.

Dez anos de viagens mudam o viajante. Já não se vê um sítio novo pela primeira vez, sem o compararmos com cidades, cheiros e sabores passados. A Viagem é uma espécie de Amor. Cada vez é mais difícil ficar apaixonado mas cada vez é mais certo, gostar de verdade. Assim sendo e para finalizar em grande, ficam com uma lista dos meus culpados amantes.

O maroto marisco dos descendentes dos portugueses em Malaca, a sedutora Laksa e os crepes de jicama em George Town, os picantes caris do Banana Leaf, o fogoso satay de qualquer banquinha ambulante, o doce porquinho caramelizado com bolas de arroz de Jonker Street, a safada galinha branca, o patriótico Nasi Lemak, o modesto Roti Canai, o guloso Mee Goreng, o nutritivo Tempe, o excitante Redang, o inocente Babi Guling, as simpáticas Popias, o peixinho das Gili, os incríveis pratos vegan em Bali e as eternas e artísticas smoothie bowls. Isto tudo arrematado com Kopi (cafezinho), nas suas variantes preto, branco e defecado pelos fofos luwaks.

Como veem mais do que ver, os olhos gostam é de comer. E o resto de mim vai atrás. Tenho mais Malásia e Bali no corpo que em qualquer outro lugar. Kilos de memórias! Será que os tenho que declarar?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A continha, por favor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião