A deterioração das contas externaspremium

Os preços das importações têm aumentado mais do que os preços das exportações. Mas terá sido da pandemia? Não. Enfim, a competitividade externa de Portugal já foi melhor.

A economia portuguesa está de regresso aos défices externos. De acordo com o INE, quer no primeiro, quer no segundo trimestre de 2022, a economia portuguesa exibiu uma necessidade líquida de financiamento (externo). Um défice externo de 0,5% do PIB no primeiro trimestre e de 0,8% do PIB no segundo. São más notícias, porque é no défice externo, a par do défice das contas públicas, que historicamente tem residido a principal vulnerabilidade macroeconómica do país. Será este agravamento das contas externas apenas temporário?Ou o restabelecimento de uma tendência que no passado tantas vezes colocou Portugal sob stress? A balança de pagamentos decompõe-se em balança corrente e de capital. A balança corrente resulta da balança comercial acrescida das balanças de rendimentos primários e

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos