A Estupidez Nacionalista

Os recuos e avanços de Trump, uma nova era, a do recuo no livre comércio e pelo encerramento de fronteiras. E de Angola, com uma hipocrisia muito própria, mergulhamos no espanto geral.

Trump trouxe os nacionalismos, condenou o multilateralismo ao papel de finados e assinou o fim da globalização, uma era de esplendor que tinha começado três décadas antes com a derrocada da União Soviética. Três anos depois de tomar posse e lançar uma guerra comercial com a China e fecha um acordo comercial. Significa que perdeu? Não, pelo contrário!

  1. Nos meses subsequentes à queda do Muro de Berlim, perguntaram a Milan Kundera o que achava sobre o fim do império soviético e toda aquela máquina estatal infernal que tinha subjugado e obliterado os países de Leste durante anos a fio. O escritor respondeu com desalento: a estupidez ideológica foi substituída pela estupidez comercial! Referia-se ao consumismo desenfreado, à voragem dos lucros que nos guiou para a crise financeira de 2008 e a uma cupidez que fez brilhar um punhado de novos ricos em detrimento de valores como a cultura ou a educação. Vem isto a propósito de Trump e o acordo fechado com a China, que deixa a economia mundial a respirar de alívio e assenta numa nova estupidez: aquela tem ganho alento por todo o mundo civilizado. A nacionalista.
  2. As duas maiores economias do Mundo assinaram uma primeira fase de acordo que suspende meses de guerra comercial, tarifas, imposições alfandegárias e restrições tecnológicas. Uma fricção mais prejudicial ao crescimento chinês que à dinâmica americana, provam os números. Trump prometera equilibrar a relação com a China, mergulhada num enorme abismo comercial: um défice de 400 mil milhões dólares que na narrativa anti-globalização extinguiu o trabalho e a criatividade de dezenas de milhões de americanos do rust belt. No fundo, toda aquela faixa industrial esquecida, que vai da Virgínia ao Ohio, e que lhe deu a vitória nas eleições: classes médias baixas, pouco qualificadas e impotentes perante a deslocalização dos seus trabalhos e das fábricas onde cresceram para o sueste asiático ou, simplesmente, para o México.
  3. O que significa este acordo? Uma nova paridade e previsibilidade comercial entre os dois gigantes. A China compromete-se a comprar 200 mil milhões de dólares na economia americana e os Estados Unidos retiram a China da lista dos países manipuladores de moeda. Por resolver estão ainda dois aspetos fundamentais: pirataria informática e comercial, com o roubo cibernético de patentes e a utilização de subsídios industriais que têm atribuído competitividade ao tecido empresarial chinês. Mas as tarifas passam a estáveis, com a promessa de não escalar, e o mundo pode descontrair até ao próximo capítulo duma lógica cada vez mais unilateral, marcada pelo recuo no livre comércio e pelo encerramento de fronteiras.
  4. Não por acaso em Davos, tanto como as preocupações ambientais, os receios para o futuro da nata capitalista centra-se nos ataques cibernéticos. A história de Jeff Bezos, o fundador da Amazon, levanta o véu sobre o tipo de riscos que corremos: trocou o número de telefone com o príncipe saudita num jantar de angariação de investidores, em Nova Iorque. O problema é que o jornalista Jamal Khashoggi, desmembrado uns meses depois na embaixada saudita em Istambul, escrevia no Washington Post – propriedade de Bezos – onde apresentava Mohammed Bin Salman como um líder autocrata. Bezos foi pressionado pelas autoridades sauditas, mas resistiu a manter o colunista. Agora, diz ter provas que um inocente vídeo, que lhe foi enviado pelo chefe de estado saudita via whatsapp, desencadeou um massivo assalto no seu celular, numa extração crescente de informação que durou meses. A evidência? Aos tablóides americanos foram entregues mensagens e fotos que comprometiam Bezos numa aventura fora do casamento. O que obrigou o dono da Amazon ao divórcio mais caro da história. Sofisticação e ausência de escrúpulos: bem-vindos ao admirável mundo cibernético.
  5. Fizemos fila para conhecer um general em Angola, daqueles que fosse capaz de abrir portas e fazer fluir o dinheiro. Desfizemo-nos em elogios quanto ao rasgo e à visão empresarial de Isabel dos Santos. Nunca demos muita importância às denúncias que Rafael Marques ou José Eduardo Agualusa foram fazendo anos a fio. De repente, com uma hipocrisia muito própria, mergulhamos no espanto geral, chocados pela certeza de que aquilo que era uma oportunidade para receber capital e tapar desvarios orçamentais ou de gestão muito portugueses, tinha uma génese cleptocrata. No fundo, que o dinheiro que nos salvou na crise financeira era produto de um saque ao povo angolano, feito de forma institucionalizada. Sistematizada. Essa é a parte da história que desprezo. A que me indigna, é como é que reguladores como o Banco de Portugal ou a CMVM permitiram que tudo se passasse sem levantar um dedo, uma suspeita. Reguladores desses não precisamos. Bastam as nossas vistas largas e a nossa coluna flexível.
  • Jornalista. Subdiretor de Informação da TVI

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A Estupidez Nacionalista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião