A Luciana Abreu é mais importante que John F. Kennedy

Vivemos num tempo em que qualquer porcaria cativa audiências, em que qualquer polémica estúpida dá falatório.

Seriam 100 anos de vida que John F. Kennedy comemoraria esta semana. Alguém, em Dallas, em 1963, ninguém sabe ainda muito bem quem, apesar das inúmeras especulações e teorias da conspiração, disparou sobre o maior ícone que habitou a Casa Branca e com ele se matou o sonho da «Nova Fronteira» e a esperança do que ele poderia ter sido.

Tantas décadas passadas e tanto fascínio continua a despertar por todas as partes do globo. A sua imagem mudou a comunicação política, especialmente na televisão, a sua família marcou gerações e tendências nas revistas sociais. Fez discursos brilhantes, tinha um carisma impressionante e o seu desaparecimento tornou-o uma lenda

Mas também é certo que tinha um lado obscuro, as suas múltiplas doenças que eram tantas como as amantes de Hollywood que teve, que durante a sua presidência permaneceu ocultado. Da sua liderança, que foi curta, o legado em termos políticos é um vácuo, mas deixou uma galeria fantástica de palavras ditas (como diria Mário Viegas) e de fotos inolvidáveis.

Fernando Pessoa, na “Mensagem”, dizia que «o mito é o nada que é tudo». E da sua acção política na Casa Branca, com verdade, não podemos dizer muito. Apenas percepcionar alguns valores de inclusão social, da construção de uma sociedade justa e uma inata aura de líder que chegava a todos e gerava empatia. Ora, no tempo em que tanto sentimos a ausência de grandes líderes isso é um legado que vale ouro.

Mas durante esta semana, em Portugal, para lá de inúmeros temas sem interesse nenhum, e que constituem o top de uma série de agregadores que as pessoas lêem e muitos nem os considero um produto jornalístico, parece que o tema que gerou mais comentários e capas de revista é o drama familiar de Luciana Abreu.

Eu não tiro nenhum mérito, que tenha, à pessoa em causa, mas sociologicamente é importante observar como tanta gente perde tempo com histórias de faca e alguidar, vive as guerras e ofensas entre estas criaturas, saliva com a mesquinhez e a parolice e dá gás a um tema que nem em rodapé surgirá nos acontecimentos de Maio de 2017 daqui a 100 anos.

Vivemos num tempo em que qualquer porcaria cativa audiências, em que qualquer polémica estúpida dá falatório. É tempo da imprensa, que eu tanto admiro e defendo, ter a capacidade de não ir atrás do fácil e do que não dá trabalho. Compreendo muito bem as dificuldades da mesma, não gosto de ver as redacções a encurtar e a perder cabelos brancos, mas a imprensa deve estar ao serviço do público e não ser apenas seu seguidor sem barreiras de qualidade, sem separar o trigo do joio.

Saúdo o jornal I por na semana passada ter dedicado todos os dias a um tema de John F. Kennedy e gostava, enquanto leitor, que se eliminasse o que não interessa das agendas mediáticas. Há muita coisa para divulgar, para criticar e elogiar. A lenda de Kennedy diz-nos que a sua presidência pretendia um mundo melhor e com mais paz. As polémicas estéreis não prestam para nada, não servem a comunidade, são um entretenimento vão e fugaz. Ao contrário do que parecia em Portugal, num mundo em que queremos viver a Luciana Abreu não é mais importante que John F. Kennedy.

Nota: Por decisão pessoal, o autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A Luciana Abreu é mais importante que John F. Kennedy

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião